Crédito: Arquivo DC

Realizado pelo terceiro ano consecutivo, o mapeamento produzido pela Associação Brasileira de Artigos para Casa, Decoração, Presentes, Utilidades Domésticas, Festas e Flores (ABCasa) e pelo instituto Iemi Inteligência de Mercado, revela que Belo Horizonte caiu uma posição no ranking brasileiro do varejo do segmento, ocupando, em 2019, a quarta colocação. Na pesquisa de 2018, a cidade estava em terceiro lugar.

Com esta queda, a participação de Belo Horizonte no total consumido no País no segmento foi de 1,9% em 2019 contra 2,73% em 2018. Uma queda de cerca de 30%.

Com a queda, a cidade fica atrás de São Paulo (1ª), Rio de Janeiro (2ª) e agora Brasília (3ª). Por outro lado, fica à frente de outras capitais, como Porto Alegre (5ª), Salvador (6ª), Curitiba (7ª) e Goiânia (8ª).

Dados nacionais – No segmento de casa e decoração do Brasil, as vendas do varejo cresceram 1,63% em 2019 no comparativo com o ano interior. Em valores, o setor movimentou um total de R$ 63,9 bilhões no último ano, ante os R$ 62,9 bilhões em 2018.

Novamente incorporado à pesquisa, o setor têxtil (cama, mesa e banho) acrescentou R$ 19,9 bilhões ao valor obtido por todas as áreas abrangidas pela ABCasa. O total somado (R$ 83,8 bilhões) ficou R$ 2,5 bilhões acima do saldo de 2018. A inclusão contribuiu para o crescimento atingido em praticamente todos os indicadores analisados. Vale ressaltar que, somente no quesito “produção local”, a participação do setor têxtil foi de R$ 12,9 bilhões.

As importações atingiram a cifra de US$ 1,4 bilhão, mesmo patamar alcançado em 2018. Já as exportações tiveram crescimento de 0,39%, passando de US$ 990,1 milhões para US$ 993,9 milhões. Com a inclusão do setor de cama, mesa e banho, houve um acréscimo de US$ 200 milhões em importações e US$ 41,9 milhões em exportações.

Os indicadores de produção, empresas atacadistas, pontos de vendas e mão-de-obra registraram queda em relação ao ano de 2018. O segmento de casa e decoração registrou uma leve queda de 0,39% em produção de artigos, passando de R$ 25,7 bilhões (2018) para R$ 25,6 bilhões (2019). Ao todo, 19,5 mil unidades produtoras foram responsáveis pelos resultados. No entanto, houve uma redução de 2,5% no número dessas fábricas no ano passado.

O número de empresas atacadistas do setor, que realizam o escoamento dos produtos até o consumidor final, teve queda de 1,4%. No segmento de cama, mesa e banho também houve diminuição: -1,39% no número de atacadistas.

Em relação ao número de pontos de venda (PDVs) no varejo total, o setor de casa e decoração sofreu uma redução de 3,24%. A mesma tendência também se confirmou em cama, mesa e banho (queda de 3,23%).

A pesquisa aponta ainda que houve estabilidade no número de pessoas que formam a mão de obra total empregada no varejo (2,2 milhões de funcionários), sendo que, no varejo especializado, houve uma redução de 655,1 mil para 622,4 mil postos de trabalho – 32,7 mil a menos, uma queda de aproximadamente 5% entre 2018 e 2019 -, enquanto que o varejo não especializado teve uma estabilidade, com os cerca de 1,6 milhão de postos de trabalho mantidos entre um ano e outro.

“Apesar do crescimento menor em relação ao obtido em 2018, o levantamento indica que o setor tem melhorado seus níveis de produtividade e eficiência com a adoção de melhorias no processo produtivo e de novas tecnologias, além do aumento do valor agregado dos produtos relacionados ao segmento de casa e decoração”, destaca o presidente da ABCasa, Eduardo Turqueto.