Liberdade: uma palavra excluída do dicionário

Qual preço você pagaria para viver em uma sociedade sem fome e violência? Em Aghaia, os moradores foram privados da liberdade. Eles trabalham 14 horas por dia e não podem ultrapassar os muros dos distritos. A realidade, que se passa no pós-guerra, em um período marcado por tragédias ambientais e escassez de recursos naturais, forma a trama de A Rainha Perdida, primeiro volume da trilogia da escritora Ana Cristina Melo. A obra marca a estreia da Editora Opala no mercado.

Envolto em discussões políticas e sociais, a história também se prende em um triângulo amoroso entre Ellena, Lukhas e Reed, os príncipes herdeiros dessa sociedade distópica. Esta é, aliás, uma das principais marcas da autora, que cria metáforas a partir de vivências cotidianas para fazer o leitor repensar “verdades” enraizadas e há muito reproduzidas. A Rainha Perdida toca em diferentes temas essenciais, como a perspectiva de crescimento pessoal dentro das favelas, as diferenças entre áreas nobres e subúrbios, passando pela sustentabilidade e as novas tecnologias para utilização dos recursos naturais. Uma ficção distante dos enredos fantasiosos, segundo a autora, “com personagens tão humanos quanto eu e você”. (A Rainha Perdida, Ana Cristina Melo, Editora Opala, 368 páginas, R$ 49,90)

Livro de poemas traz reflexão sobre conflitos do ser humano

Reflexivo, imaginário e libertador. Esses são os sentimentos que a escritora Alexandra Vieira de Almeida deseja instigar nos leitores com o livro de poemas Oferta. Lançado em segunda edição, pela Editora Penalux, a obra reúne temas que podem ser considerados conflitantes, como, por exemplo, o amor, a poesia reflexiva e filosófica e a prosa poética de temática social, beirando o limite entre poesia e prosa. Para a autora, o livro solta as vozes sábias do fazer poético e cria um espaço em que literatura e leitura se conjugam em toda sua essência. Alexandra Almeida classifica sua obra como presente da escrita do poeta para o mundo, como um voo imaginativo, salientando o aspecto libertário neste jogo que leva os leitores a refletirem sobre as questões do mundo. (Oferta, Alexandra Vieira de Almeida, Editora Penalux, 62 páginas, R$ 38)

Geração Covid e o mundo pela janela

Versos rimados declamam a sensação das crianças nos últimos seis meses em O Mundo pela Janela. Verdadeiros passarinhos engaiolados dentro de casa, os pequenos descobrem na produção de Regina Drummond uma companhia libertadora para os momentos mais tediosos e solitários: a literatura. Ilustrada pela premiada artista plástica Thais Linhares, a obra fala da pandemia da Covid-19 de maneira sutil: o vírus é citado como monstros que acabaram de chegar.

Embora se refira ao momento atual, O Mundo pela Janela não se limita, já que a sensação de tédio e a saudade dos amigos pode se repetir em diversas outras ocasiões. Trata-se de uma obra para crianças a partir dos 5 anos. As belas ilustrações da premiada ilustradora e artista plástica Thais Linhares complementam a obra. Este é o 133º livro de Regina Drummond. (O Mundo pela Janela, Regina Drummond, Editora Duna Dueto, 16 páginas, R$ 38)

Síndrome de Münchausen por transferência

O Segredo de Rose Gold, de Stephanie Wrobel, chega ao Brasil pela Editora Verus. Na obra, a autora fala sobre a síndrome de Münchausen por transferência (ou procuração), que afeta principalmente as mães, fazendo com que elas fantasiem doenças em seus filhos, com o objetivo de atrair atenção. O thriller conta a história de Rose Gold Watts que viveu por 18 anos acreditando estar seriamente doente.

A menina era alérgica a tudo e vivia em hospitais. Chegou a pensar que precisasse mesmo da sonda gástrica, das cirurgias, da cadeira de rodas. Os vizinhos faziam o possível para ajudar, mas, não importava por quantos médicos Rose passasse, quantos exames ou cirurgias realizasse, ninguém sabia o que havia de errado com ela. (O segredo de Rose Gold, Stephanie Wrobel – tradução de Ryta Vinagre, Editora Verus, 308 páginas, R$ 44,90)

Danos psicológicos de uma relação familiar tóxica

Chega ao Brasil o sétimo romance de Jami Attenberg, obra que está conquistando leitoras de diferentes faixas etárias pelo mundo, sobretudo por trazer uma compreensão profundamente humana de personagens complexos, que formam uma família disfuncional. Nem tudo tem que ser seu (All This Could Be Yours, título original) é uma exploração oportuna e penetrante do que significa ser pego na teia de um homem tóxico; mostra como um relacionamento abusivo pode envolver gerações e aborda o que é preciso para se libertar. (Nem tudo tem que ser seu, Jami Attenberg, Primavera Editorial, 332 páginas, R$ 44,90 / e-book R$ 29,90)