COTAÇÃO DE 03-12-2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,6790

VENDA: R$5,6800

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,7000

VENDA: R$5,8300

EURO

COMPRA: R$6,3643

VENDA: R$6,3655

OURO NY

U$1.784,10

OURO BM&F (g)

R$321,33 (g)

BOVESPA

+0,58

POUPANÇA

0,4739%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Negócios Negócios-destaque
Crédito: Divulgação

De acordo com a terceira edição da “Pesquisa nacional sobre o impacto da Covid-19 nos negócios”, realizada pela KPMG, 41% dos empresários do Brasil acreditam que o faturamento para 2021 terá um aumento entre 10% e 25%. Outros 35% preveem um crescimento de até 10% no próximo ano, enquanto 8% afirmam que haverá um aumento de mais de 25%. Para 14%, o faturamento em 2021 será muito próximo ao de 2020 e para 2% haverá uma diminuição entre 10% a 25%.

O levantamento contou com a participação de 49 empresários de todas as regiões do Brasil, pertencentes aos setores de consumo e varejo, energia e recursos naturais, governo, saúde e ciências da vida, mercados industriais, infraestrutura, ONGs, serviços financeiros, tecnologia, mídia e telecomunicações.

PUBLICIDADE

A pesquisa também mostra o impacto no faturamento deste ano. Segundo a pesquisa, 27% dos executivos afirmam que os rendimentos vão diminuir entre 10% e 25%. Para 25%, a previsão é diminuir até 10%; para 16% será muito próximo ao ano anterior; para 10% irá aumentar até 10%; para 6% irá aumentar entre 10% e 25%; para 6% irá aumentar mais de 25%; para 6% irá diminuir entre 25% e 50%; e para 4% irá diminuir mais que 50%.

“Esta nova edição da pesquisa é importante para medir a temperatura do atual momento e sabermos qual é a reação esperada para os próximos meses. Esse levantamento mensal também permite construir um diagnóstico comparativo sobre a reação das empresas aos impactos da pandemia e identificar qual tem sido o comportamento da economia brasileira”, afirma o sócio-líder de Advisory da KPMG no Brasil e na América do Sul, André Coutinho.

A pesquisa também mostra o impacto da pandemia nas receitas das empresas entre os meses de abril e setembro deste ano, em comparação com o mesmo período do ano anterior. Segundo os empresários, 23% tiveram uma diminuição de até 10%, 22% tiveram uma redução entre 10% e 30%, 8% tiveram uma redução entre 30% e 50%, e 4% tiveram uma diminuição de mais de 50%. Entretanto, outros 21% afirmaram que permaneceu a mesma receita, e 22% disseram que a receita aumentou.

A terceira edição da “Pesquisa Nacional sobre o Impacto da Covid-19 nos Negócios” foi realizada nos meses de agosto e setembro deste ano, com empresários dos seguintes setores: consumo e varejo (8%); energia e recursos naturais (10%); governo (2%); saúde e ciências da vida (4%); mercados industriais (16%); infraestrutura (10%); ONGs (4%); outros serviços (28%); serviços financeiros (10%); e tecnologia, mídia e telecomunicações (8%). Já a distribuição geográfica dos entrevistados foi 70% no Sudeste, 14% no Sul, 4% no Centro-Oeste, 4% no Nordeste e 8% no Norte.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!