COTAÇÃO DE 06/05/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,3640

VENDA: R$5,3650

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,3470

VENDA: R$5,5200

EURO

COMPRA: R$6,4639

VENDA: R$6,4668

OURO NY

U$1.786,86

OURO BM&F (g)

R$309,04 (g)

BOVESPA

+1,57

POUPANÇA

0,1590%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Especial SME Negócios Negócios-destaque

ENGENHARIA HOJE | Sede da SME deverá ganhar novos usos vinculados à cultura e à inovação

COMPARTILHE

Edifício sede da SME foi inaugurado em 1978 e está sendo preparado para trabalhar com dois novos usos a partir do próximo ano | Crédito: SME / Divulgação

Quem passa em frente ao prédio de seis andares e fachadas revestidas de mármore localizado na rua Timbiras, 1.514, entre a avenida João Pinheiro e a rua da Bahia, no centro de Belo Horizonte, mal imagina que nele está a história de uma instituição – a Sociedade Mineira de Engenheiros (SME) – prestes a completar 90 anos de fundação.

O prédio, inaugurado em maço de 1978, foi palco de grandes debates sobre os rumos da engenharia e sobre projetos de grande importância para o desenvolvimento de Minas e do País. Agora, quando a SME está prestes a completar nove décadas, dois novos usos estão sendo planejados para a edificação.

PUBLICIDADE

Um é de natureza artístico-cultural. Prevê a revitalização do espaço cultural ali existente, para que volte a receber eventos culturais, como exposições de arte, lançamento de livros e shows. O “Espaço Cultural da SME” foi inaugurado em 1994, pelo então presidente da SME, Rodrigo Coutinho, e o presidente da República, Itamar Franco. Além do saguão, as atividades culturais poderiam ocorrer no teatro localizado no quarto andar, cujas obras de reforma estão quase concluídas.

O segundo tipo de uso se daria no terreno da inovação, com a transformação do amplo salão existente no terceiro andar no futuro Hub de Inovação da SME. Lá ficarão as startups voltadas para a inovação na engenharia que vierem ser selecionadas por meio da parceria que está em fase avançada de acerto entre a SME e a aceleradora NeoVentures. O projeto foi oficialmente apresentado na Live SME realizada em maio último está na fase de acertos jurídicos do contrato de parceria, que deverá ser finalizado pela próxima diretoria da SME, a ser empossada em 1º de dezembro.

Cultura – A transformação da sede da SME em um espaço cultural regular é o primeiro passo para que o imóvel passe a fazer parte do Circuito Cultural da Praça da Liberdade. Uma primeira reunião nesse sentido ocorreu em setembro, entre a atual diretoria da entidade e Milene Pedrosa, superintendente de Bibliotecas, Museus, Arquivo Público e Equipamentos Culturais da Secretaria de Estado da Cultura, da qual o Circuito Praça da Liberdade faz parte. Segundo ela, uma condição inicial para que isso se torne realidade seria a SME manter no imóvel uma programação regular de conteúdo artístico-cultural.

O projeto é importante para a SME por duas razões. A primeira é porque irá dar à região central de Belo Horizonte, particularmente ao entorno de um ambiente altamente qualificado, com a Praça da Liberdade, um novo espaço cultural. A segunda razão é porque o projeto agrega valor à sede da SME, valorizando a entidade e, por consequência, a engenharia, além de criar, pela via da cultura, sinergias novas entre a categoria dos engenheiros e outros segmentos da sociedade.

De acordo com a engenheira Ângela Alvarenga, presidente do Conselho de Administração da Montreal Engenharia e coordenadora do projeto pela SME, ainda não há uma definição, por parte da entidade, dos usos culturais que serão dados ao prédio. Ela afirma que o projeto será criado do zero, mas ressalta que o que será feito será algo de novo para a cidade. “Temos que criar uma coisa bacana para a SME fazer para a cidade”, afirma Ângela Alvarenga.

Segundo ela, o projeto cultural da entidade será definido a partir da consulta a vários segmentos da sociedade. No seu entendimento, ao fazer isso, a SME estará atuando aliada à modernidade, como parte do que seriam as prioridades do mundo contemporâneo: meio ambiente, governança e social, sendo entendida a cultura como parte da preocupação com as questões sociais.

Inovação – O hub da SME será instalado no quarto andar do prédio sede da instituição, cuja reforma chegou ao seu final recentemente. O anúncio dos entendimentos entre a SME e a aceleradora Neo Ventures foi feito recentemente pelo diretor-técnico da empresa, Vinícius Bortolussi Roman, durante a Live SME.

A ideia, segundo Vinícius Bortolussi, é fazer na SME um hub amplo, com foco em vários setores, tendo em vista que a engenharia é uma área do conhecimento marcada pela diversidade. “A gente pensa em trazer empresas de energia, alimentos e bebidas, construção civil e mineração, entre outros setores nos quais a engenharia está muito presente. É um projeto que a gente está desenhando com muito carinho. Em breve vamos ter mais novidades para apresentar”, afirma Vinícius Bortolossi.

Para ele, devido ao caráter plural da SME como a casa de todas as engenharias, o projeto está sendo desenhado para que atenda a estas especificidades. “Em inovação, não existe control-c, control-v. Iremos aproveitar o que a SME tem de melhor”, afirma.

Icon Hub – O hub da SME não será a primeira experiência da Neo Ventures na área de engenharia. Em São Paulo, a empresa coordena o Icon Hub, que reúne empresas de engenharia ligadas ao Sindicato da Indústria de Construção Civil do Estado de São Paulo (Sinduscon-SP) mais a mineira MRV, para a qual o Icon Hub lançou um de seus primeiros desafios: desenvolver uma solução de criação de um condomínio com o uso apenas das ferramentas virtuais, desde a ata da reunião até o registro do condomínio em cartório.

O diretor-técnico da Neo Ventures chama a atenção para o fato de que um hub de engenharia, como o da SME não precisa, necessariamente, ter como foco as obras de engenharia em si. “É importante a gente ter consciência de que os desafios da engenharia vão além da engenharia bruta em si”, ressalta o diretor-técnico da Neo Ventures. (Conteúdo produzido pela SME)

Votação da 23ª edição do Prêmio Cbic já está aberta

Já estão definidos os 10 finalistas da 23ª edição do Prêmio Cbic de Inovação e Sustentabilidade nas categorias Sistemas Construtivos, Gestão da Produção e Pesquisa e Desenvolvimento (P&D), Pesquisa Acadêmica e Startup. Agora é a vez do público decidir quais serão os projetos vencedores. A votação estará aberta até às 23h59 do dia 30 de novembro para definição do 1º, 2º e 3º lugares de cada categoria. Para conhecer os finalistas e votar, acesse o site.

A comissão julgadora avaliou os projetos com base no conteúdo do material enviado pelos concorrentes. Nesta edição, uma das inovações do concurso foi a inscrição por vídeo. Durante a apresentação individual dos selecionados, os jurados e participantes puderam fazer perguntas sobre as concepções abordadas. Outra inovação é a votação do público para definição da classificação dos finalistas e para isto. A entrega do prêmio será no dia 3 de dezembro, durante o 92º Encontro Nacional da Indústria da Construção (ENIC), que neste ano ocorre 100% on-line.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!