COTAÇÃO DE 06/05/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,3640

VENDA: R$5,3650

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,3470

VENDA: R$5,5200

EURO

COMPRA: R$6,4639

VENDA: R$6,4668

OURO NY

U$1.786,86

OURO BM&F (g)

R$309,04 (g)

BOVESPA

+1,57

POUPANÇA

0,1590%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Especial SME Negócios Negócios-destaque

ENGENHARIA HOJE | UFMG desenvolve cimento enriquecido com nanotubos

COMPARTILHE

Crédito: Foca Lisboa / UFMG / Divulgação

Desenvolvido no final do século 19, na Inglaterra, por Joseph Aspdin, o cimento Portland, o mais utilizado em todo o mundo, foi “turbinado” por pesquisa desenvolvida na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). O produto é obtido com base na síntese de fibras nanométricas diretamente sobre o cimento. Elas modificam as propriedades mecânicas do material original após o acréscimo de água, resultando em um produto mais “enriquecido” e mais resistente a fissuras e à compressão.

A síntese de nanotubos de carbono sobre o cimento é um projeto desenvolvido por professores e pesquisadores da UFMG há mais de uma década. No ano passado, teve sua patente reconhecida pelo Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI), alçando o Brasil ao privilegiado grupo de países com licença para produzir um material dessa natureza, ao lado dos Estados Unidos e da China. O material desenvolvido pela UFMG também é patenteado nesses dois países.

PUBLICIDADE

“O cimento é o material mais utilizado na construção civil no mundo. Ao melhorar sua qualidade, melhoramos também as propriedades do concreto, da argamassa e de outros materiais que usam o cimento e seus compostos na construção civil”, explica o professor José Márcio Calixto. Ele acrescenta que o produto nanoestruturado tem potencial de uso no processo de perfuração de poços de exploração de petróleo.

Um dos diferenciais da tecnologia desenvolvida pela UFMG é o processo de síntese do nanotubo direto no cimento, abordagem iniciada pelo professor Luiz Orlando Ladeira. “Em termos de aplicação, a técnica viabiliza a utilização dos nanotubos de carbono, materiais que incorporam resistência mecânica às matrizes cimentícias, com um custo reduzido e exequível para a indústria da construção civil”, explica Tarcizo Cruz, que é supervisor da frente de pesquisa Cimento e Materiais Cerâmicos do CTNano/UFMG.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!