COTAÇÃO DE 07/05/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,2280

VENDA: R$5,2290

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,2070

VENDA: R$5,3830

EURO

COMPRA: R$6,3509

VENDA: R$6,3522

OURO NY

U$1.831,42

OURO BM&F (g)

R$307,84 (g)

BOVESPA

+1,77

POUPANÇA

0,2019%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Negócios zCapa
Crédito: Glaucimara Castro

Depois de ficar 10 anos desativada, a tradicional casa de fondues Era Uma Vez Um Chalezinho volta a funcionar no mesmo endereço em Nova Lima, na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH).

Com um conceito mais moderno e novo nome, Vila Chalezinho, a casa recebeu um investimento de R$ 3 milhões e a expectativa é de que ela atraia cerca de 5 mil pessoas por mês e fature R$ 800 mil no período.

PUBLICIDADE

O fundador do Grupo Chalezinho, Antônio Augusto Marcellini, explica que o projeto da casa de fondues tem 40 anos e começou na Savassi, na região Centro-Sul da Capital. Em 1994, o restaurante se mudou para a região conhecida como Seis Pistas, em Nova Lima, e por lá ficou durante 15 anos.

“Saímos porque cedi o terreno do restaurante para a construção do Concórdia Corporate com a promessa de que, quando estivesse pronto, receberíamos nosso espaço de volta. Foi o que aconteceu: agora voltamos para o mesmo endereço, mas associados a um empreendimento de alto nível, com toda a infraestrutura de segurança e garagem à disposição dos nossos clientes”, afirma.

Com um conceito mais moderno, expectativa é de que a casa fature R$ 800 mil por mês – Crédito: Divulgação

O investimento de R$ 3 milhões foi aplicado na compra de mobiliário, equipamento e decoração do ambiente, que permanece com a mesma ideia de “piano café”, mas mais moderno. Entre os toques de sofisticação trazidos pelo novo espaço está o telhado com vista para o céu e a lareira. “A essência é a mesma, mas com características mais modernas. Agora temos um chalé estilizado”, resume.

Ele explica que mudou o nome do empreendimento porque a marca Chalezinho ficou muito associada às casas de balada, que pertence ao grupo. Por isso, os sócios resolveram colocar o “Vila” na frente para fazer a diferenciação e também como homenagem ao bairro Vila da Serra, onde fica o restaurante.

A casa tem capacidade para 200 pessoas, sendo 160 na área interna e 40 em um espaço ao ar livre, construído abaixo de um pergolato. A ideia, segundo o fundador, é ser referência de boa comida tanto no inverno quanto no verão.

Por isso, a casa permanece oferecendo os fondues como especialidade, mas também tem outras opções no menu, como o Steak à Diana, com a carne flambada no conhaque, e o Boeuf a Bourguignon, receita clássica francesa servida com mousseline.

Em 1994, o restaurante se mudou para a região conhecida como Seis Pistas, em Nova Lima | Crédito: Divulgação

O restaurante também oferece massas, saladas, sanduíches, chocolates, cafés e drinks. O tíquete médio é de R$ 150. Marcellini acredita que o Vila Chalezinho deve atrair entre 4 mil e 5 mil pessoas por mês, faturando cerca de R$ 800 mil no período.

Ao todo, o Grupo Chalezinho tem 10 empreendimentos, entre restaurantes, casas de festa e de balada. Eles ficam em Belo Horizonte e região metropolitana, em São Paulo e na Flórida, nos Estados Unidos.

Segundo o fundador, essa diversificação de atividades tem ajudado o grupo a se manter com bons resultados mesmo em meio à crise econômica no Brasil. A expectativa é de que a empresa feche 2019 com um resultado estável em relação ao ano passado.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!