COTAÇÃO DE 19/01/2022

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,5600

VENDA: R$5,5600

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,5770

VENDA: R$5,7130

EURO

COMPRA: R$6,2610

VENDA: R$6,2639

OURO NY

U$1.814,31

OURO BM&F (g)

R$322,84 (g)

BOVESPA

+0,28

POUPANÇA

0,6310%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Negócios
" "
Escola de tiro na região Noroeste da Capital recebeu o dobro de ligações em função do decreto - Foto: Alisson J. Silva

Outro serviço que também registrou aumento de demanda nos últimos dias são as escolas de tiro que oferecem o curso e o teste para a aquisição da documentação de posse de arma de fogo. Com três anos de operação no bairro Cachoeirinha, na região Noroeste da Capital, o Attack Clube de Tiro e Caça recebeu o dobro de ligações entre terça-feira e ontem. Segundo a diretora, Leandra Pereira de Sousa, a demanda já havia crescido desde o fim do ano passado, mas a procura teve um verdadeiro boom desde a assinatura do decreto pelo presidente.

“Recebemos uma média de 50 ligações por dia e hoje foram mais de 100. As pessoas também estão nos procurando pelas redes sociais e presencialmente”, afirma. Segundo ela, a escola tem uma sala de aula para 25 alunos e dois stands para treino, sendo um de 25 metros e um de 10 metros. Atualmente a escola tem 800 sócios, que utilizam o espaço para o treino. Mas, segundo a diretora, esse número deve dobrar em breve, tanto por causa da flexibilização da posse de armas, mas também porque a escola está planejando ampliação e inauguração de novos stands.

PUBLICIDADE




“A sociedade ainda tem muito preconceito com a posse de arma. Mas agora que o assunto veio a público as pessoas terão mais informações e a procura vai ser maior”, comemora. Segundo ela, o curso para se preparar para a prova da Polícia Federal custa R$ 460 e permite até 40 disparos. Já o processo para adquirir a documentação, que inclui teste psicológico e teste de tiro, custa R$ 990.

Cofres – Até empreendimentos que não estão diretamente ligados ao universo da arma de fogo estão se beneficiando com o decreto de Bolsonaro. É o caso das lojas de cofres. O documento assinado pelo presidente determina a comprovação de um cofre para a guarda da arma nas residências onde houver criança, adolescente ou pessoa com doença mental.

A determinação já surtiu efeito na VHJ Cofres e móveis de aço, localizada no bairro Universitário, na Pampulha. Segundo o proprietário, Jeferson dos Reis Passos, a loja já vinha sendo procurada por colecionadores de armas há algum tempo, mas, nos últimos dois dias a procura de cofres menores aumentou.

O mais demandado é o modelo apartamento, que tem 80 centímetros de altura, 40 centímetros de largura, 40 centímetros de profundidade e 250 kg.




Ele é todo blindado e custa R$ 2800. Segundo Passos, esse modelo é o mais adequado para o armazenamento de uma arma pequena, munição e material de limpeza. O proprietário está contando com um aumento nas vendas entre 30% a 40% este ano e, por isso, já investiu cerca de R$ 1,5 milhão em novos maquinários, além da contratação de cinco funcionários. (TB)

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!