A produção de itens de proteção da NTFlex em Divinópolis, como máscaras, triplicou neste ano | Crédito: Divulgação

A pandemia do novo coronavírus desencadeou quedas no faturamento de pequenas, médias e grandes empresas no Brasil e no mundo. Por outro lado, há indústrias que conseguiram, mesmo em um período de crise econômica, apresentar uma taxa de crescimento significativa, como é o caso da NTFlex, empresa de Divinópolis, Centro-Oeste mineiro, que atua há duas décadas na produção de artigos para o segmento estético, clínico, médico e de higiene pessoal.

No acumulado de janeiro a setembro, a empresa projeta alta de 20% no faturamento em relação a todo o ano de 2019. Além do aumento natural das vendas, a produção de itens de proteção individual contra o vírus que provoca a Covid-19, como máscaras, luvas, capas e lençóis descartáveis, triplicou. “Nossos descartáveis que antes eram produzidos em um período de oito horas diárias, passaram a ser fabricados em três turnos contínuos”, destaca a diretora da NTFlex, Glaudis Amaral.

De janeiro a setembro, itens como máscaras, luvas e jalecos descartáveis tiveram um aumento significativo de vendas, se comparado ao mesmo período de 2019. “Crescemos 830% na comercialização de máscaras, 268% em luvas e 830% em jalecos”, pontua Amaral. Além de produtos descartáveis, a empresa atua no segmento de toucador, manicure e pedicure, linhas masculina, para cabelos e depilação, totalizando um mix de 750 artigos.

Investimentos – Para garantir o aumento das vendas e a necessidade do mercado de suprir produtos descartáveis durante essa crise sanitária, a empresa investiu na compra de matéria-prima, adquiriu maquinários com tecnologia de ponta e reestruturou sua unidade fabril. “Otimizamos gastos, criamos estratégias de crescimento comercial e apostamos no lançamento de novas categorias de produtos”, destaca Glaudis Amaral.

Em números, a marca investiu, de abril a setembro de 2020, 62% a mais na compra de insumos em relação ao mesmo intervalo de 2019. Para produzir todo esse volume de matéria-prima, foi necessário sistematizar a planta com novos equipamentos e realizar mudanças na indústria, o que gerou gastos que totalizam cerca de meio milhão de reais. A fim de produzir mais mercadorias, o quadro de colaboradores aumentou em 10%.

A ampliação das transações comerciais externas também foi uma tática para barrar quedas no faturamento. Atualmente, a empresa negocia com países da América Latina e África e, para 2021, o foco é atender o mercado europeu. “Além de promover o desenvolvimento econômico local, levamos o nome de Divinópolis para todos os estados brasileiros, Distrito Federal e outros continentes”, finaliza a diretora da NTFlex.