FDC reformula seu programa voltado a médias empresas e ajuda companhias durante a pandemia | Crédito: Alisson J. Silva Fundação Dom Cabral

Sabendo da importância de se adaptar ao que pedem mercado e empresas para lidar com o chamado “novo normal”, a Fundação Dom Cabral, uma das 9 melhores escolas de negócios do mundo, de acordo com o ranking 2020 do jornal britânico “Financial Times”, repaginou o seu portfólio e o adequou especificamente às necessidades trazidas pela pandemia.

Assim, o Paex (Parceiros para a Excelência), uma das mais tradicionais soluções da FDC, voltada médias empresas e com mais de 30 anos de existência no mercado de educação executiva, transformou-se rapidamente para um modelo híbrido, combinando aspectos on-line e presenciais, que foram moldados para atender pontos cruciais para estas companhias, tais como gestão de crise, propósito e impacto social, além de planejamento para a retomada dos negócios.

Com cerca de 500 empresas compondo o programa atualmente, a Fundação Dom Cabral desenvolveu novas ferramentas próprias para o Paex. Entre elas: um canvas de modelagem de negócios que agrega a abordagem em propósito e impacto social; e um mapa de resultados que visa não apenas objetivos financeiros, mas também econômicos, social e ambiental. Na dimensão de gestão da estratégia e dos resultados, a FDC adotou o OKR (Objetive and Key Results), metodologia de rápida adoção de resultados. Para este último pilar, foi adotado o Radar de Impacto, um observatório dinâmico dos aspectos que impactam o negócio e o gatilho para a definição dos quesitos.

“Essa nossa repaginação do Paex é pensada em gerar valor para as empresas, mas com um olhar para o futuro. O modelo híbrido possibilitou o aumento da presença, em encontros virtuais, com os profissionais da FDC que fazem o acompanhamento das companhias. Dessa forma, estivemos mais perto na tomada de decisão das empresas, podendo auxiliá-las de maneira efetiva neste momento e fornecendo a estrutura e robustez ao modelo de gestão delas”, diz Selma Rodrigues, gerente da FDC.

Segurança digital – O planejamento de seu próximo ciclo de desenvolvimento, a Tempest, empresa focada em segurança digital, receava ficar engessada e enfrentar dificuldades para se adaptar a possíveis mudanças de mercado à realidade, como a que a pandemia trouxe. Por isso, já em 2018 a companhia buscou o Paex para auxiliá-la no planejamento desse ciclo de desenvolvimento já iniciado. E durante o isolamento social o programa se mostrou valioso. “Entendemos que o que havíamos construído até o momento da pandemia era sólido e capaz de conduzir os nossos próximos passos. Ao mesmo tempo, a adaptabilidade foi fundamental para reavaliarmos e remodelar o que era necessário”, diz o CEO da Tempest, Cristiano Lincoln Mattos. “Em outros momentos, talvez a afobação causada pela pandemia nos levasse à estaca zero. Com o Paex, os alicerces estavam firmes”.

A empresa enxergava alguns entre seus principais desafios: condução estruturada de uma discussão acerca de um planejamento estratégico, seguindo um arcabouço metodológico; além de perspectiva de desenvolvimento do quadro de executivos, possibilitando, principalmente, um entendimento profundo das realidades e tendências do mercado. Os objetivos estão sendo superados. “Com o Paex temos um ambiente de permanente discussão sobre os rumos da Tempest. Além disso, a orientação constante para resultados – um dos pontos altos do Parceiros – é nossa premissa”, conta Mattos.