COTAÇÃO DE 22/06/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$4,9650

VENDA: R$4,9660

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$4,9570

VENDA: R$5,1130

EURO

COMPRA: R$5,9745

VENDA: R$5,9772

OURO NY

U$1.778,62

OURO BM&F (g)

R$286,53 (g)

BOVESPA

-0,38

POUPANÇA

0,2446%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Negócios Negócios-destaque
Energia solar já é mais barata do que a construção de novas usinas de carvão | Crédito: REUTERS/Amanda Perobelli

Paris – A energia solar deve comandar uma disparada na geração de eletricidade por fontes renováveis ao longo da próxima década, disse a Agência Internacional de Energia (IEA, na sigla em inglês), ao estimar que fontes limpas serão responsáveis por 80% do crescimento na produção global de energia elétrica no período.

Em relatório sobre perspectivas energéticas globais divulgado ontem, a IEA afirmou que seu cenário central – que reflete intenções políticas e metas já anunciadas – mostra que as renováveis devem ultrapassar o carvão até 2025 como principal meio de produção de eletricidade.

PUBLICIDADE

A participação combinada das energias solar fotovoltaica e eólica na geração global vai avançar para quase 30% em 2030, ante 8% em 2019, disse a IEA, com expansão média na capacidade solar de 12% ao ano.

“Eu vejo a energia solar se transformando na nova rainha dos mercados de eletricidade do mundo”, disse o diretor-executivo da IEA, Fatih Birol. “Com base nas configurações atuais de política energética, ela caminha para estabelecer novos recordes de implantação em todos os anos após 2022.”

O amadurecimento da tecnologia e de mecanismos de apoio reduziram os custos para o financiamento de grandes projetos de energia solar, o que ajuda a diminuir de maneira geral os custos de produção, indicou a IEA.

Hoje, a energia solar já é mais barata do que a construção de novas usinas de carvão ou gás na maioria dos países, acrescentou a agência.

A geração a partir de renováveis é a única grande fonte de energia que manteve um ritmo crescente em 2020, afirmou a IEA, com sede em Paris.

Um cenário mais ambicioso – que incluiria, por exemplo, a adoção de metas de zero emissões líquidas até 2050 – poderia fazer com que a energia solar tivesse um desempenho ainda mais forte, acrescentou o relatório. (Reuters)

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!