COTAÇÃO DE 16 A 18/10/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,4540

VENDA: R$5,4540

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,4700

VENDA: R$5,6130

EURO

COMPRA: R$6,3181

VENDA: R$6,3210

OURO NY

U$1.767,23

OURO BM&F (g)

R$309,68 (g)

BOVESPA

+1,29

POUPANÇA

0,3575%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

exclusivo Negócios zCapa

Grupo Cordeiro, de Curvelo, abre duas unidades de atacarejo

COMPARTILHE

A rede supermercadista Cordeiro investiu R$ 30 milhões em lojas de atacarejo - Crédito: Divulgação

Com a mudança dos hábitos do consumidor brasileiro nos últimos anos, em virtude da corrosão da renda pelo aumento dos preços e o aumento do desemprego, supermercadistas também precisaram adequar seus negócios à nova realidade de consumo no País. Desde o ano passado, o grupo Cordeiro, sediado em Curvelo, na região Central de Minas, vem apostando no segmento que disponibiliza vendas em atacado e varejo e abriu duas lojas nesse formato no ano passado, em Minas Gerais.

As informações são do diretor de gestão do grupo, Carlos Eduardo Silva. Segundo ele, novos pontos de vendas serão inaugurados também neste exercício. “Temos 26 anos de atuação no varejo e, nos últimos anos, observando a mudança nos hábitos de consumo das pessoas, percebemos a necessidade de acompanhar o movimento e oferecer produtos e serviços especiais”, explicou.

PUBLICIDADE

Foi então que, em junho do ano passado, o grupo inaugurou a primeira loja de atacarejo na própria cidade de Curvelo. Em dezembro, foi aberta a unidade em Araçuaí, no Vale do Jequitinhonha. E, para os próximos meses, está previsto um ponto de vendas no mesmo formato em Salinas, no Norte de Minas.

Conforme o diretor, cada unidade do tipo consome aportes da ordem de R$ 15 milhões e possui características muito semelhantes, como área de vendas de 3,5 mil a 3,8 mil de metros quadrados, cerca de 15 checkouts, centenas de vagas de estacionamento e amplo mix de produtos. “A diversificação do mix é bastante elevada, com itens de alimentos, panificação, hortifrúti, higiene e limpeza”, ressaltou.

Dessa forma, o grupo encerrou 2019 com nove lojas, das quais sete unidades de varejo tradicional e dois atacarejos. Para este exercício, além do ponto de venda de atacarejo em Salinas há previsão de outras unidades de varejo no Estado. A meta, conforme Silva, é elevar a participação do grupo na venda combinada de atacado e varejo, mas também avançar no projeto de lojas tradicionais.

Em termos de desempenho, o diretor explicou que foi registrado crescimento de 6,5% nos negócios em 2019 sobre 2018. O resultado superou as expectativas e pode ser atribuído tanto à melhora da economia no decorrer do exercício quanto aos esforços internos da empresa.

“Sempre procuramos fortalecer o mix, melhorar o atendimento e compreender a demanda do cliente. Isso é o que nos faz ser realmente ser uma opção de compras em cada região. Além disso, houve contribuição dos fornecedores, maior fluxo de dinheiro no mercado a partir do saque do FGTS e aumento do emprego no País”, comentou.

Para 2020, a intenção é manter a curva de crescimento e ampliar os negócios em cerca de quatro pontos percentuais acima da inflação. Além disso, o grupo espera iniciar obras para uma unidade na cidade de Taiobeiras, também no Norte do Estado, e começar a operar o Centro de Distribuição (CD) em Curvelo.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!