COTAÇÃO DE 26/11/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,5950

VENDA: R$5,5960

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6300

VENDA: R$5,7570

EURO

COMPRA: R$6,3210

VENDA: R$6,3222

OURO NY

U$1.792,60

OURO BM&F (g)

R$322,88 (g)

BOVESPA

-3,39

POUPANÇA

0,4620%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Negócios

Grupo Swart lança duas novas variedades a partir de Minas Gerais

COMPARTILHE

Grupo registrou incremento de 10% no faturamento, puxado por investimentos na produção - Divulgação

Considerado uma referência nacional no cultivo de rosas de corte e de kalanchoes, o Grupo Swart tem 69,2% da sua produção de Rosas em Andradas, no Sul de Minas, em um total de 18 hectares. Da produção total da empresa, a unidade mineira responde por cerca de 30%, enquanto as duas unidades de Holambra (SP), que se dedicam às kalanchoes, respondem por 60% e Ubajara (CE), também com rosas, por 10%.

Para 2019 a aposta é em um mercado crescente para um setor que soube se ajustar durante a crise e descobrir novos nichos e canais de vendas. A unidade de Andradas é responsável pela chegada de duas novas variedades de rosas ao mercado: a Ivy, de cor magenta, hastes mais longas e espinhos de tamanho médio e a Bluez, uma rosa “dupla face”, com pétalas de cor branca por fora e vermelha por dentro.

PUBLICIDADE

De acordo com o gerente de produção do Setor de Rosas de Corte da Unidade de Andradas, Roberto Swart, a escolha de novas variedades leva em consideração tendências de mercado, os lançamentos realizados na Europa e a adaptação ao clima brasileiro. A unidade emprega dez trabalhadores por hectare de produção.

“O mercado pede o tempo todo por novidades, então analisamos as tendências para buscar na Europa novas variedades. Todo ano são lançadas cerca de 50 e escolhemos duas. Aí fazemos a substituição do plantio daquelas que já não são um sucesso tão grande. Quando todas estão mantendo o mesmo patamar de vendas abrimos novas áreas de cultivo. O normal é fazermos essa substituição numa proporção de 15% da área”, explica Swart.

A escolha de Andradas para o cultivo tem a ver, principalmente, com a altitude da cidade, localizada na Serra da Mantiqueira, a 892 metros de altitude e distante 370 quilômetros de Belo Horizonte e 165 quilômetros de São Paulo. A cidade faz parte do Circuito Turístico Caminhos Gerais (ACG) junto com: Bandeira do Sul, Botelhos, Cabo Verde, Caconde (SP), Caldas, Ibitiúra de Minas, Ipuiúna, Poço Fundo, Poços de Caldas, Santa Rita de Caldas, Senador José Bento.

“Além da Altitude, Andradas apresenta um ótimo índice de radiação solar o ano inteiro, coisa que não temos no Sul do Brasil, por exemplo. A produção de flores acontece durante o ano inteiro, não é uma colheita por safra, embora no verão o volume seja maior. Por isso precisamos de um lugar que nos garanta essa condição. Além disso, o Sul de Minas está próximo do principal mercado consumidor, que é São Paulo, e a logística é determinante no nosso negócio”, argumenta o gerente de produção.

Aporte – O maior investimento da Swart para 2019 será realizado em Holambra. A estimativa é aumentar de 1,1 milhão de vasos de kalanchoes produzidos em 2018 para 1,4 milhão de unidades em 2019, especificamente no vaso de Pote 15. Em 2017, foram 900 mil vasos produzidos. O produtor registrou neste ano um crescimento de 10% no faturamento, puxado pela ampliação da produção e por investimento na modernização das estufas.

Para atender à demanda, o produtor de Holambra ampliou a área cultivada de 27 mil m² para 38 mil m² com kalanchoes. A área produzida ficará ainda maior em meados do próximo ano com a entrada em operação de uma nova estufa de 13 mil m².

De acordo com dados do Instituto Brasileiro de Floricultura (Ibraflor), em 2018 as vendas ao consumidor final tenham chegado a R$ 8 bilhões (os dados ainda não foram totalmente fechados). O resultado significa um crescimento entre 7% e 8% no ano passado.

“Toda nossa produção para o mercado nacional. Nos últimos tempos, por causa do câmbio, a exportação não foi favorável. Esse é um mercado que nos interessa e este ano devemos vender, principalmente via leilão, para Argentina e Uruguai. A crise fez com que encontrássemos novos caminhos.

Os supermercados apareceram como um novo canal de vendas. Substituímos a decoração que respondia por 80% do nosso volume e focamos nos supermercados. Também nos esforçamos para abaixar nossos custos. A crise nos ensinou muito”, reflete o executivo.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!