COTAÇÃO DE 26/10/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,5720

VENDA: R$5,5730

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,5900

VENDA: R$5,7230

EURO

COMPRA: R$6,4654

VENDA: R$6,4683

OURO NY

U$1.793,01

OURO BM&F (g)

R$321,20 (g)

BOVESPA

-2,11

POUPANÇA

0,3575%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Negócios Negócios-destaque

Kiwi Superfoods amplia operações em BH

COMPARTILHE

Estamos preparando a entrada em Madri, revela Rodrigues | Crédito: DIVULGAÇÃO/KIWI SUPERFOODS

Apostando em uma tendência que já crescia antes e deve tomar ainda maior impulso no pós-pandemia – a alimentação saudável -, a rede Kiwi Superfoods inaugura mais duas unidades na Capital, somando seis lojas em Belo Horizonte. Dessa vez os pontos escolhidos foram o Boulevard Shopping, na região Leste, e o Jockey Club, na região Centro-Sul.

De acordo com o fundador e CEO da Kiwi Superfoods, Dimitri Rodrigues, com isso a marca chega a 20 unidades espalhadas por cinco estados do Brasil. Criada em Belo Horizonte, a Kiwi ainda prevê inaugurar em 2020 lojas em Brasília (DF), Fortaleza (CE), Varginha (Sul de Minas) e Nova Lima (Região Metropolitana de Belo Horizonte – RMBH). O investimento médio para a abertura de uma unidade é de R$ 150 mil. Cada loja abriga entre 15 e 20 colaboradores.

PUBLICIDADE

“A pandemia foi um susto. Ninguém colocou no planejamento estratégico uma bomba dessas. Nossa primeira atitude foi reunir todo mundo e reduzir o tamanho da empresa, revendo contratos e ajustando salários, sem mandar ninguém embora, e ficar ainda mais próximos dos franqueados. Temos um conselho de franqueados trimestral que agora é mensal. Buscamos também aliviar o caixa deles. Foi um momento de muita união. A Covid-19 mudou os valores das pessoas, inclusive na perspectiva de se alimentar melhor. O que vendemos é um estilo de vida. Surpreendentemente batemos o recorde de interessados e que, agora, estão inaugurando as lojas. Possivelmente teremos mais duas lojas em Belo Horizonte em breve”, afirma Rodrigues.

Homologação de fornecedores – Os dois novos restaurantes atenderão dentro do modelo completo da Kiwi, com buffets para café da manhã, almoço, chá da tarde, comida japonesa e drink bar. Fazem parte do cardápio sucos, saladas, tapiocas, omeletes de clara, sanduíches e cremes de açaí.

Para garantir para os consumidores produtos de qualidade em qualquer lugar do Brasil, a marca trabalha com a homologação de fornecedores e as manipulações são reduzidas ao máximo e se restringindo ao interior das lojas.

“Desenvolvemos fornecedores locais. A logística refrigerada é muito difícil em um país como o nosso. Para produtos mais sensíveis, homologamos a receita. Encaixamos o cardápio para que tudo possa ser produzido dentro da loja. Quanto à regionalização do cardápio, ela é fundamental para atender a demanda do cliente. A nossa loja dentro de uma academia, por exemplo, tem uma demanda completamente diferente da de uma loja de rua”, pontua o empresário.

Internacionalização O plano de expansão da marca teve um início concêntrico, partindo de Belo Horizonte para as cidades da região Sudeste. O segundo passo foi em direção ao Sul do País, com abertura na capital do Paraná, Curitiba. E a agora, com a loja de Fortaleza, tem o Nordeste.

No atual momento, o interesse é por cidades com mais de 100 mil habitantes. Ao mesmo tempo, embora a operação tenha sido paralisada em virtude da pandemia, a Kiwi se prepara para atravessar o Oceano Atlântico e desembarcar em Madri, a capital da Espanha.

Para o franqueador, a peça fundamental para que tudo isso dê certo é o seu parceiro que lida diretamente com o consumidor: o franqueado. “No começo eu achava que era suficiente capital e gestão. Hoje sei que temos que entender se a pessoa é conectada com o nosso propósito, nossa alma. É uma avaliação mais profunda. Poderia ter mais de 100 lojas se dissesse sim para todo mundo que se interessa, mas temos uma responsabilidade muito grande com os clientes e todos os parceiros, então eles têm que ser bons”, pontua o CEO da Kiwi Superfoods.

5àsec prevê saltar de 23 para 37 lojas em MG

Temos opção a partir de R$ 80 mil, diz Alex Quezada | Crédito: Daniel Barreto

Considerado um serviço essencial, as lavanderias estão encontrando um espaço especial nos planos de reconstrução da economia no pós-pandemia: o de garantir a qualidade da higiene feita nos enxovais de tecido de casas e empresas.

Essa necessidade ajuda a explicar o novo modelo de negócios da 5àsec, uma das maiores redes de lavanderias no mundo, e seu forte plano de expansão. Em Minas Gerais, a marca pretende passar de 23 para 37 unidades até o fim do ano que vem. Esse novo ciclo de expansão vai se concentrar na Capital e sua região metropolitana. As primeiras quatro inaugurações já estão marcadas para janeiro próximo.

Segundo o diretor de Novos Negócios e Expansão da 5àsec, Alex Quezada, o número atual de unidades em funcionamento no Brasil é de 422 unidades. “Lançamos um modelo mais enxuto, com investimento médio de R$ 80 mil. Mapeamos, somente na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH), 18 oportunidades. Nossa meta são 15. Hoje, temos 60% dos usuários das classes A e B. Para franqueados, buscamos pessoas focadas na parte de atendimento e comercial. O operacional é mais fácil porque é seguir processos”, explica Quezada.

Além das pessoas físicas, as unidades estão habilitadas para atender empresas como restaurantes, hotéis e outras que tenham uniformes para lavar, por exemplo. Daí a necessidade de o franqueado ter habilidades no atendimento e no comercial.

Seguindo protocolos – “Até aqui, enquanto consumidores, nos preocupávamos com a limpeza de uma determinada maneira. Agora, com a pandemia, essa relação mudou. Conseguir provar para os clientes que a higiene foi realizada dentro dos protocolos será um diferencial para empresas de diferentes segmentos. Isso abre um mercado muito grande de oportunidades. Já tínhamos serviços bactericidas e de higienização e estamos aumentando o leque desses produtos. Usamos produtos certificados. A auditoria garante que os processos sejam os mesmos em todas as unidades”, pontua.

Além da RMBH, a 5àsec prospecta oportunidades também nas cidades de Governador Valadares (Vale do Rio Doce) e Juiz de Fora (Zona da Mata). Hoje, Minas Gerais representa 6,3% do faturamento total da rede, com 23 unidades instaladas, e é o terceiro estado atrás de São Paulo e Paraná. Com as novas unidades, a projeção é aumentar a representatividade para 8,5%, levando o Estado para a segunda posição entre todos os estados do Brasil até o final de 2022.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!