COTAÇÃO DE 14/05/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,2710

VENDA: R$5,2710

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,2700

VENDA: R$5,4330

EURO

COMPRA: R$6,3961

VENDA: R$6,3990

OURO NY

U$1.843,90

OURO BM&F (g)

R$311,62 (g)

BOVESPA

+0,97

POUPANÇA

0,2019%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Negócios

Mesmo com a pandemia, Grupo EPO supera metas

COMPARTILHE

Crédito: Divulgação
Crédito: Divulgação

O desastre econômico trazido pela pandemia poupou alguns setores. A construção civil foi um deles e, de forma até surpreendente, projeta um 2021 de resultados em alta. Nesse cenário, algumas empresas se destacaram ainda mais e puxaram a média pra cima. O Grupo EPO é um deles. Em 2020, a empresa gerou mais de 100 empregos diretos e mais que o dobro em empregos indiretos, o que representa um número de 80% a mais de contratações de mão de obra se comparado com o ano anterior. Em relação às vendas, superou em 10 % a meta de vendas para o período.

Enquanto isso, segundo pesquisa divulgada pelo Sindicato da Indústria da Construção Civil no Estado de Minas Gerais (Sinduscon-MG), o Produto Interno Bruto (PIB) do setor no País cresceu 5,6% no 3º trimestre de 2020, a maior alta desde o 1º trimestre de 2014; e em Minas Gerais cresceu 6,5% no 3º trimestre deste ano, a maior alta desde o 1º trimestre de 2007.

PUBLICIDADE

De acordo com o diretor administrativo-financeiro do Grupo EPO, Eduardo Luiz Silva, passado o grande susto logo no início da pandemia, o que permitiu o retorno das atividades foi a tomada de decisão rápida, sempre amparada pela ciência.

“Criamos protocolos de segurança para o pessoal do escritório e canteiro de obras. Sabíamos que precisávamos tomar decisões precisas e orientar com rapidez e firmeza nossas equipes. Não tivemos nenhum canteiro paralisado. Adotamos práticas como medição de temperatura e higienização na entrada das obras, direcionamento de casos suspeitos para teleconsultas e exames, orientação técnica, férias ou afastamento das pessoas dos grupos de risco e teletrabalho para o pessoal do escritório. Tivemos uma adesão rápida e total das nossas equipes. Isso foi primordial para o resultado”, explica Silva.

Lançamentos – No ano passado, a empresa lançou dois empreendimentos residenciais, o Parque Bandeirantes, no Sion, o Rio Branco, na Savassi (região Centro-Sul); e um loteamento no bairro Kubitschek, em Betim, na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH).

Apesar de serem empreendimentos que tiveram o planejamento feito há mais tempo, a recepção já foi impactada pela mudança de comportamento dos consumidores. “Sentimos o aumento da procura de lotes para a construção de casas. Um exemplo é o loteamento em Betim. As pessoas perceberam que não precisam morar tão perto das empresas e que, com o home office, precisam de espaços maiores e mais próximos da natureza. Para 2021 reservamos um empreendimento especial em Nova Lima, o Brisa. Exatamente pra esse público que quer morar bem e ter seu escritório com conforto dentro de casa”, pontua.

Eduardo Luiz Silva | Crédito: Alexandre Sandrini / EPO
Eduardo Luiz Silva | Crédito: Alexandre Sandrini / EPO

Para 2021 as expectativas são positivas, com a previsão de lançar mais quatro empreendimentos no primeiro semestre. O Brisa Residencial, que terá apartamentos com 377 m², no Vale do Sereno, em Nova Lima, na RMBH. A EPO também vai lançar mais uma etapa do Navegantes, na Lagoa dos Ingleses, também em Nova Lima. Serão torres residenciais de dois e três quartos, além de salas comerciais de 27 m² A 297 m².

No bairro de Lourdes (região Centro-Sul da Capital), terá vez o Arthur Bernardes Residencial e terá apartamentos de 57 m² a 107 m². Outro destaque é o lançamento do Luar Residencial que fará parte do Botânico Casa Natureza, complexo composto com os residenciais Sol e Terra, já construídos.

Expansão – O Grupo EPO avança também pela região Central do Estado, com loteamentos em Ouro Preto e o segundo em Sete Lagoas. Para o executivo, empreendimentos desse tipo devem ter aumento de demanda nos próximos anos e tornar o processo entre a escolha do terreno e o lançamento ainda mais delicado.

“Acredito que teremos um bom tempo de mercado aquecido e favorecido pelos juros baixos. A leitura que fazemos é que a fase inicial da escolha do terreno e identificação de passivos é cada vez mais importante para o processo. O cuidado inicial ao comprar um terreno está cada vez mais minucioso e específico. Ainda assim, estamos falando de um processo que leva de três a cinco anos”, avalia o diretor administrativo-financeiro do Grupo EPO.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!