COTAÇÃO DE 21-06-2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,0220

VENDA: R$5,0230

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,0200

VENDA: R$5,1830

EURO

COMPRA: R$5,9972

VENDA: R$5,9999

OURO NY

U$1.783,34

OURO BM&F (g)

R$288,80 (g)

BOVESPA

+0,67

POUPANÇA

0,2446%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Negócios Negócios-destaque
Revendedora de EPIs, sediada em Juiz de Fora, se consolida no mercado de uniformes | Crédito: Divulgação

Foi a partir de um convite para ser representante de uma loja de equipamentos de proteção individual (EPI) em Juiz de Fora, na Zona da Mata mineira, que o empresário Silvio Henrique Ferreira descobriu uma oportunidade de negócio. Natural de São Paulo, Ferreira morava em Belo Horizonte e foi convidado a ir para Juiz de Fora para representar a empresa. O ano era 1999 e o então representante comercial resolveu investir no próprio negócio. Nascia a Multiseg, inicialmente dedicada à revenda de EPIs mas que, três anos depois, passou a atuar também no segmento de uniformes profissionais.

“Comecei a perceber alguns problemas nos uniformes que eu revendia e decidi investir na minha própria confecção”, relembra o empresário. No início, a pequena confecção funcionava em uma loja de aproximadamente 200 metros quadrados e produzia, basicamente, calças e jalecos. Ferreira contava com o apoio da esposa, Izabel Cristina Ferreira, na gestão do negócio, além de oito empregados dedicados à produção e às vendas.

PUBLICIDADE

Com o passar do tempo, a empresa foi expandindo e passou a oferecer uniformes mais elaborados. O empresário investiu em maquinário para bordado e estamparia e buscou parcerias para aprimorar seus produtos e a gestão do negócio. Por conta da qualidade, a Multiseg foi homologada pela Cedro Têxtil e conseguiu alavancar os negócios.

O crescimento da empresa fez com que Ferreira sentisse a necessidade de procurar o Sebrae. “Quando começamos a perceber a expansão do negócio, vimos que tínhamos que nos preparar para sustentar o crescimento. O Sebrae nos deu um forte amparo nessa busca por aprimorar a gestão e os produtos”, diz Ferreira.

O empresário fez treinamentos nas áreas de gestão de qualidade e participou de cursos e consultorias de finanças, marketing e relacionamento com clientes e colaboradores. As capacitações ajudaram a Multiseg a evoluir na gestão financeira, em novas técnicas de produção, tecnologias e tendências de mercado. “Passamos a ter um olhar mais focado na gestão do negócio, e não apenas no operacional, o que nos fez alavancar nossos números e resultados”, destaca.

A partir de 2010, Ferreira passou a contar com o apoio da filha, Natália Ferreira, administradora que se graduou em moda para trazer novos conhecimentos e agregar ao negócio da família. A empresária participou de uma missão empresarial à China, promovida pelo Sebrae, na qual teve a oportunidade de aprender com as confecções chinesas. “Trouxemos o conceito de organização que eles têm para a nossa empresa e hoje temos mais controle sobre os nossos processos e a nossa produção”, lembra.

Atualmente, a Multiseg está participando de um projeto do Sebrae voltado para confecções e do programa Sebraetec, na área de controle e melhorias de processos. “Estamos implantando o lean manufacturing na empresa, conceito voltado para a redução de desperdício de tempo e de processos, visando tornar a nossa produção mais eficiente. Tem sido muito significativo”, ressalta Ferreira.

Crescimento expressivo – Hoje, a Multiseg conta com três lojas interligadas, em uma área total de 600 metros quadrados, e uma carteira com cerca de 7 mil clientes, nos municípios da Zona da Mata e da Região Metropolitana de Belo Horizonte, além do estado do Rio de Janeiro.

A empresa de pequeno porte emprega 23 funcionários, conta com 30 máquinas de corte e costura e capacidade produtiva de 10 a 12 mil peças por mês, entre uniformes e rouparia hospitalar. “Os equipamentos de EPI, que deram origem à empresa, respondem por apenas 5% das nossas vendas. Nosso carro chefe hoje são os uniformes, que representam 95% do faturamento”, revela o empresário.

Mesmo com uma queda nas vendas durante a pandemia, a empresa conseguiu manter seu quadro de colaboradores. Para o futuro, Ferreira segue otimista. “Queremos focar em nosso fortalecimento interno, para que a empresa se torne cada vez mais produtiva, com funcionários felizes e satisfeitos e oferecendo um atendimento sempre melhor aos nossos clientes”, destaca. (ASN)

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!