COTAÇÃO DE 12/05/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,2220

VENDA: R$5,2230

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,2030

VENDA: R$5,3800

EURO

COMPRA: R$6,3751

VENDA: R$6,3780

OURO NY

U$1.837,16

OURO BM&F (g)

R$309,12 (g)

BOVESPA

+0,87

POUPANÇA

0,2019%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Negócios Negócios-destaque
A primeira edição do Outlab contou com a participação de 25 laboratórios de pesquisa | Crédito: Divulgação

O Outlab, programa com origem em Minas Gerais que acelera laboratórios de ciência, ensino e inovação, encerrou sua primeira edição com R$ 1 milhão em contratos fechados entre os laboratórios participantes e empresas de diferentes setores no Estado.

Inédito no Brasil, o programa capacitou pesquisadores durante 10 semanas, auxiliando-os a projetarem seus produtos e serviços no mercado. A edição também contou com rodadas de negócios, que tiveram resultados notáveis: mais de 300 prospecções de clientes e 50 propostas fechadas nas áreas de farmácia, indústria, mineração, educação e saúde.

PUBLICIDADE

A iniciativa foi realizada pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), por meio da Pró-Reitoria de Pesquisa (PRPq) e pela Fundação de Desenvolvimento da Pesquisa (Fundep). A primeira edição contou com a participação de 25 laboratórios da UFMG.

De acordo com o diretor da Fundep, Ramon Azevedo, o programa foi inspirado em programas de aceleração voltados para startups. Mas, nesse caso, o objetivo era aproximar a universidade do mundo corporativo, a fim de que pesquisas desenvolvidas na academia ganhem o mercado e beneficiem toda a sociedade.

“Historicamente os laboratórios de ciência e inovação são dependentes dos órgãos públicos e, com essa crise fiscal, a universidade passou a ter dificuldade de acessar esses recursos. Uma das saídas é justamente essa aproximação dos laboratórios com o mercado privado para que eles sejam capazes de garantir sua sustentabilidade”, afirma.

Azevedo lembra que ainda há muito desencontro entre os dois mundos, tendo em vista que a empresa foca em soluções de curto prazo para a solução de problemas, enquanto a academia desenvolve pesquisas no médio e longo prazos. “A construção de um canal de comunicação entre os dois é um dos grandes diferenciais do programa”, frisa.

A primeira edição do Outlab começou em julho deste ano e terminou esta semana. Durante os últimos meses, os pesquisadores passaram por uma capacitação que iniciou com o entendimento da atividade do laboratório e qual o lugar dele na cadeia produtiva. Os participantes também foram convidados a levantar o que seus laboratórios entregam de valor e como isso poderia ser remunerado. Por fim, eles aprenderam a fazer a prospecção das empresas, a negociação e a entrega dos produtos e serviços.

“Tivemos feedbacks positivos tanto dos pesquisadores quanto das empresas. Os representantes dos laboratórios conseguiram desmistificar a relação com a empresa e perceberam que é possível fazer negócios. Por outro lado, ouvimos dos gestores das empresas sobre a descoberta das oportunidades que encontraram ao se aproximar da universidade, como o acesso à tecnologia de ponta”, diz.

Laboratório destaque – Um dos laboratórios participantes com maior destaque nessa primeira edição do Outlab foi o Laboratório de Ensaios de Combustíveis (LEC). Ele já trabalha junto às empresas com análise de combustíveis, estudos científicos na área e, recentemente, passou a oferecer o serviço de certificação de combustível de aviação. A coordenadora do LEC, Vânya Pasa, afirma que, embora esse seja um laboratório que já tenha relação com o mundo corporativo, o programa foi um marco importante para a equipe.

“A verdade é que, como pesquisadores, não tínhamos treinamento para atuar em áreas como vendas ou marketing: era tudo muito instintivo. O Outlab trouxe muito conhecimento e nos aproximou desse ambiente corporativo, que a gente não acompanha tanto justamente por estar na universidade”, diz.

Durante o programa, o LEC fechou 62 vendas de serviços, principalmente na área de análise de diesel em grandes máquinas. O faturamento com esses serviços foi de R$ 200 mil. Além disso, o laboratório mapeou 91 aeroportos em oito países, onde começará a oferecer o serviço de certificação de combustível de aviação.

O Aeroporto Internacional de Belo Horizonte, em Confins, na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH), é um deles. Segundo a coordenadora, hoje esse serviço é feito em São Paulo e, agora o terminal poderá contratar a análise na Capital.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!