COTAÇÃO DE 23 A 25/10/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,6270

VENDA: R$5,6270

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6730

VENDA: R$5,8030

EURO

COMPRA: R$5,6730

VENDA: R$5,6750

OURO NY

U$1.792,47

OURO BM&F (g)

R$327,87 (g)

BOVESPA

-1,34

POUPANÇA

0,3575%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Negócios

Pandemia deixou líderes mais ansiosos

COMPARTILHE

O que todo mundo quer hoje em dia é trabalhar feliz, ser reconhecido, defendeu Erika Moraes | Crédito: Divulgação

Celebrado em 10 de outubro, o Dia Mundial da Saúde Mental visa chamar a atenção para o adoecimento mental ao redor do planeta, desde 1992. O alerta, que já era dado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) sobre o crescente acometimento de doenças como depressão, ansiedade, síndrome de burnout, entre outros, foi definitivamente compreendido e se tornou preocupação dentro das empresas a partir da crise desencadeada pela pandemia, em 2020.

Nesse tempo, ficou claro que esses problemas não escolhem classe social, atividade laboral, idade ou etnia. Dentro das empresas, o mito dos líderes infalíveis e com solução para tudo ruiu de vez e eles se mostraram também humanos.

PUBLICIDADE

Essa foi uma das conclusões da pesquisa Inteligência Emocional e Saúde Mental no Ambiente de Trabalho, realizada pela The School of Life, em parceria com a Robert Half .

A ansiedade foi o principal impacto da pandemia na saúde mental de 63,51% dos 296 líderes e 64,10% dos 195 liderados de diversas regiões do Brasil. Com opção de múltipla escolha, a lista de impactos na saúde mental dos líderes se completa da seguinte forma: estresse (47,64%), insônia (27,36%), burnout (19,59%) e depressão (9,80%). Já entre os liderados, após a ansiedade, aparecem: desânimo (51,79%), estresse (46,15%), insônia (16,41%), depressão (10,26%) e burnout (8,72%). Do total, apenas 12,50% dos líderes e 7,69% dos liderados afirmaram não ter sofrido abalo na saúde mental durante a pandemia.

De acordo com a gerente de Recrutamento da Robert Half, Erika Moraes, as mudanças impostas pela pandemia mostraram que, embora com rotinas diferentes, líderes e liderados são bastante parecidos nas suas dificuldades e que ambos merecem cuidados.

“A pandemia mostrou que, ao fim de tudo, somos todos humanos. Somos gestores gerindo pessoas e o que todo mundo quer é trabalhar feliz, ser reconhecido. Quando cada um foi pra casa, a questão da individualidade apareceu para os times. No escritório tinha o efeito manada, a coisa acontecia e se resolvia de alguma forma em grupos. Fazer a interface entre cada interesse e o meu trabalho como gestor passou a ser rotina”, explica Erika Moraes.

A nova realidade parece ter acendido o sinal amarelo nas empresas, cada vez mais preocupadas e atuantes sobre a saúde mental das equipes, ainda que muita gente ainda se sinta abandonado. Entre os 491 profissionais entrevistados (líderes e liderados), 60,97% afirmaram que, nesse período de pandemia, sentiram o aumento do nível de preocupação das empresas nas quais atuam com relação ao bem-estar e à saúde mental da equipe. Ainda assim, uma parcela (10,68%) afirma que a organização na qual trabalha não se preocupa com o tema e 37,86% dos profissionais dizem não sentir que têm liberdade para expor seus sentimentos e emoções no ambiente de trabalho.

Tudo isso mostrou que, muitas vezes, a falta de engajamento ou produtividade de um profissional está relacionada a questões emocionais e não a falta de habilidades técnicas. Mais da metade dos líderes (52,03%) e dos liderados (58,46%) admitiu que, em algum momento desse período de pandemia, deixou de produzir ou se engajar no trabalho por estar emocionalmente abalado. Um fator que preocupa bastante nesse cenário é que uma parte dos profissionais entrevistados (15,88% dos líderes e 14,36% dos liderados) relatou que simplesmente não têm cuidado da própria saúde mental e emocional.

“A ansiedade sempre existiu. A diferença, agora, é a liberdade de exposição. Hoje existe uma escuta ativa. Como executiva, preciso atrair e reter talentos e para isso vou mudar a estrutura. A preocupação das empresas com o bem-estar aumentou porque esse é um valor que as pessoas não vão mais abrir mão. Durante a pandemia, os líderes perceberam um aumento de produtividade. O nível de lealdade de quem ficou, cresceu. Gente feliz produz melhor. É importante que as empresas durante o processo seletivo – principalmente quando elas vão ao mercado buscar pessoas – mostrem o que são, quais os valores e o tipo de profissional que ela precisa”, pontua a gerente de Recrutamento da Robert Half.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!