COTAÇÃO DE 16 A 18/10/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,4540

VENDA: R$5,4540

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,4700

VENDA: R$5,6130

EURO

COMPRA: R$6,3181

VENDA: R$6,3210

OURO NY

U$1.767,23

OURO BM&F (g)

R$309,68 (g)

BOVESPA

+1,29

POUPANÇA

0,3575%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Negócios

Pesquisadores estudam transmissão sem fio

COMPARTILHE

Foto: Divulgação

Carregar o celular, acender uma lâmpada ou ativar sensores de presença pode ser possível sem a utilização de fiação elétrica. Pelo menos é o que vem sendo comprovado por meio de pesquisas no Grupo de Eletromagnetismo Aplicado (GEA) do Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais (Cefet-MG). Coordenados pela professora Úrsula do Carmo Resende, os projetos se baseiam na utilização de bobinas ressonantes e em rectennas, que são dispositivos compostos por antenas e retificador, para transmitir energia elétrica sem fiação e para reaproveitar ondas eletromagnéticas na alimentação de cargas. A expectativa da professora é de que as pesquisas sejam transformadas em produto e ganhem aplicação prática.

De acordo com Úrsula Resende, as pesquisas sobre os temas são desenvolvidas há cerca de 10 anos na instituição e já foram temas de cerca de 30 projetos de conclusão de curso, tanto de alunos da graduação quanto da pós-graduação. Segundo ela, os projetos se dividem em duas linhas, sendo a primeira focada na transmissão de energia sem utilização de fios. Essa pesquisa se baseia na utilização de bobinas ressonantes, que possibilitam a transmissão de energia por indução magnética.

PUBLICIDADE

Segundo a professora, as pesquisas mostram que é possível transmitir energia para objetos até um metro de distância. “Usando essa técnica já conseguimos carregar celulares, notebooks e acender lâmpadas”, afirma.

Ela destaca que a aplicação da tecnologia pode ser tanto para facilitar o uso de equipamentos e acabar com a dependência da tomada, mas também para facilitar a instalação de tecnologias, como sensores, que ficam em lugares remotos e precisam ser constantemente recarregados.

A segunda linha de pesquisa tem seu principal foco no reaproveitamento de ondas eletromagnéticas disponíveis no ambiente. Segundo Úrsula Resende, por meio de rectennas, é possível coletar essas ondas e utilizá-las na alimentação de cargas de baixo consumo. Nesse caso, os produtos testados também foram lâmpadas, sensores e dispositivos eletrônicos, mas eles estavam a uma distância duas vezes maior.

“Pode-se destacar como principal impacto na área de conhecimento e estudo o desenvolvimento e a disseminação de uma tecnologia que se mostra como um novo paradigma para a alimentação de pequenos dispositivos eletroeletrônicos, eliminando a necessidade de fios e conexões elétricas”, afirma.

A professora afirma que a expansão da pesquisa depende de novos investimentos. O grupo acaba de ter projeto aprovado na Fundação de Amparo à Pesquisa de Minas Gerais (Fapemig) e vai receber R$ 27 mil este ano, mas Úrsula Resende explica que a perenidade da pesquisa só será garantida com novos investidores e patrocinadores. 

“Para que a pesquisa avance precisamos de circuitos mais eficientes e de aumentar capacidade de potência. Isso custa caro, tendo em vista que a maior parte dos componentes utilizados na pesquisa é importada”, explica.

A professora afirma que também está em busca de empresas parceiras que tenham interesse em apoiar o projeto e ajudar a transformá-lo em produtos.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!