Uma solução que promete facilitar a manutenção e gerar até 30% de economia nos gastos com o carro acaba de chegar a Belo Horizonte.

Oferecida pela startup israelense Engie, a tecnologia funciona como um mecânico virtual e escaneia mais de 10 mil itens do veículo em tempo real e ainda conecta os proprietários dos carros a uma rede de oficinas. A empresa está no Brasil há um ano e acaba de expandir sua atuação para a capital mineira, onde pretende chegar em até 1.000 oficinas este ano.

O diretor de Marketplace da Engie no Brasil, Andre Segal, explica que a empresa chegou primeiro a São Paulo e depois expandiu para o Rio de Janeiro. Belo Horizonte é a terceira praça onde a empresa opera no Brasil. “A curva de demanda no Brasil normalmente começa por São Paulo e Rio e depois costuma apontar para o Sul. Mas, para a nossa surpresa, Minas Gerais apresentou demanda acima da curva. Em Belo Horizonte, encontramos muitas oficinas e um mercado aquecido”, afirma.

O dispositivo criado pela startup pode ser comprado via e-commerce por qualquer pessoa. A instalação no carro também é simples: ele deve ser acoplado à entrada OBD2 do veículo, que geralmente fica no painel, abaixo do volante. Por meio do sistema bluetooth, o dispositivo envia os dados coletados do carro para o aplicativo Engie, que pode ser baixado gratuitamente. Com o diagnóstico do carro em mãos, o proprietário ainda pode utilizar a funcionalidade de marketplace da ferramenta, que o conecta a uma rede de oficinas parceiras. A solução permite, inclusive, o levantamento de orçamento dos serviços.

Além de saber detalhes sobre os funcionamentos das peças do carro, o usuário ainda recebe informações sobre consumo de combustível e até a localização do veículo estacionado. O Engie funciona com carros fabricados a partir do ano 2002 e está disponível para o sistema Android e o sistema iOS por R$ 99 e R$ 135, respectivamente.

O diretor explica que a Engie se identifica como uma empresa de diagnostico veicular e oferece dois tipos de parcerias com os proprietários de oficinas. A primeira delas é a inclusão do empreendimento no marketplace da startup. Nesse caso, a plataforma funciona como um “Uber dos mecânicos”, uma vez que encurta a distância entre clientes e mecânicos, conectando-os por meio de um aplicativo. Nesse formato de parceria, a Engie fica com uma taxa de 10% sobre serviço que foi recomendado.

O segundo tipo de parceria é por meio do Engie Connect, plataforma criada pela startup que matem mecânicos e motoristas conectados. O mecânico pode usar essa ferramenta para enviar ao proprietário do carro lembretes sobre manutenções que precisam ser realizadas, alertas sobre falhas eventuais e orçamentos de serviços detalhados. Caso o mecânico se interesse, ele também pode oferecer ao cliente o dispositivo que escaneia o veículo em tempo real e ter acesso às informações coletadas, o que vai trazer ainda mais eficiência ao serviço oferecido em sua oficina.

“Muitas oficinas não têm interesse em entrar no marketplace por já terem uma carteira de clientes cheia. Mas elas têm encontrado no Engie Connect uma solução eficiente. A ferramenta ajuda a registrar tudo o que foi feito no carro, eliminando os papéis e selinhos colados no vidro. Além disso, com a utilização do dispositivo escaneador, o mecânico vai direto ao ponto do problema do veículo, sem precisar ficar testando hipóteses”, frisa.

Marketing – O diretor lembra que a plataforma também é uma poderosa ferramenta de marketing, uma vez que o mecânico sabe exatamente o que o cliente precisa para o seu carro e pode oferecer produtos e serviços. O custo mensal da plataforma para a oficina é de R$ 399.

De acordo com Segal, até o momento, Belo Horizonte tem cerca de 135 oficinas cadastradas no marketplace da Engie e a expectativa é que, em 2019, esse número chegue a 1000. “Também estamos otimistas com a venda da Engie Connect porque encontramos na cidade muitas redes de oficinas, que demonstraram interesse no produto”, conclui.