COTAÇÃO DE 24/09/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,3430

VENDA: R$5,3440

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,3800

VENDA: R$5,5030

EURO

COMPRA: R$6,2581

VENDA: R$6,2594

OURO NY

U$1.750,87

OURO BM&F (g)

R$301,00 (g)

BOVESPA

-0,69

POUPANÇA

0,3012%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Negócios Negócios-destaque

Programação da 25ª edição da Casacor Minas segue até 13 de outubro

COMPARTILHE

Crédito: Jomar Braganca

Aberta oficialmente no dia 3 de setembro, a 25ª edição da Casacor Minas vem atraindo milhares de visitantes ao Palácio das Mangabeiras, região Centro-Sul de Belo Horizonte, que até então só era utilizado como residência oficial dos governadores de Minas. A mostra foi responsável por abrir, pela primeira vez, o imóvel para visitação e este talvez seja um dos maiores méritos desta edição. Somado a este feito, está o trabalho de 94 profissionais das áreas de arquitetura, design de interiores e paisagismo, que investiram pesado na construção de 60 ambientes que têm encantado o público.

Dentro do Palácio, todos os cômodos foram mantidos com as suas funções originais, ou seja, todos os quartos se mantiveram como quartos, cozinhas, salas, lavabo e outros espaços seguiram esta mesma diretriz, possibilitando que o público possa conhecê-lo de acordo como foi criado. Obviamente, diversas melhorias foram realizadas, entre elas a retirada de itens que não faziam parte do projeto original, como pisos, toldos, armários e divisórias, acrescentados ao longo da história do palácio. Com a realização da Casacor, podemos dizer que o Palácio das Mangabeiras está sendo apresentado à população em sua melhor forma.

PUBLICIDADE

Já na parte externa, os amplos bosques e jardins convivem em perfeita harmonia com dezenas de projetos instalados como ambientes. Por conta da extensa área externa, esta é a edição da mostra com o maior número de paisagistas desde a chegada da Casacor em Minas. São 11 ao todo, com projetos bem variados, incluindo a restauração de uma parte do projeto original de Burle Marx, sob a responsabilidade da paisagista Nãna Guimarães.

O tema apresentado nesta edição é “Planeta Casa”. A ideia é fazer com que os frequentadores tenham a possibilidade de fazer uma reflexão sobre como a nossa relação com o mundo influencia o nosso jeito de morar. Sendo assim, a proposta é apresentar uma série de projetos que reflitam sobre como a casa deve absorver o estilo de vida de seus moradores. Atentos à questão da sustentabilidade, diversos ambientes da mostra foram inteiramente construídos a partir de técnicas capazes de reduzir a geração de resíduos, reduzindo consequentemente os custos de produção, além do ganho na agilidade deste processo construtivo. Seguindo este conceito, o bar, jardins e demais ambientes externos desta edição são pet friendly.

Cerca de 500 profissionais entre arquitetos, design de interiores, paisagistas, pedreiros, pintores, marceneiros, jardineiros e soldadores trabalharam diretamente na elaboração, construção e finalização dos ambientes. Só na parte de construção foram investidos aproximadamente R$ 10 milhões.

Preservação e patrimônio – O convênio de cooperação celebrado em junho entre o Estado e a Codemge destaca a importância da adequada manutenção e preservação do Palácio das Mangabeiras, que tem projeto inicial de autoria do arquiteto Oscar Niemeyer, com jardins planejados pelo paisagista Roberto Burle Marx. Além do evento, a proposta é que a Casacor continue promovendo uma série de benfeitorias, obras de infraestrutura, restauro, recuperação, manutenção e vigilância do espaço que está sendo ocupado por ela durante o período médio de seis meses ao ano, pelos próximos quatro anos.

Sustentabilidade Encarregada pela gestão dos resíduos gerados na Casacor, a Aterra é a parceira sustentável da Casacor Minas e atende a todos os projetos desta edição. A empresa é responsável pela correta destinação de rejeitos de obra. Todo o material recolhido até o momento está sendo destinado a um aterro de resíduos da Construção Civil – Classe A, que tem como característica reutilizar ou reciclar os sedimentos condicionados.

De acordo com o diretor operacional da instituição, Bruno Giovannini, foram recolhidas até o momento 61 toneladas de resíduos, sendo 70% de entulhos/podas de árvores e plantas, 10% de papelão, 8% de metais e 12% de outros materiais. Esse volume de detritos representa 47% do total dos sedimentos retirados na mostra de 2018, quando foram coletados 13.000 kg de entulhos, 1.902 kg de papelão, 1.493 kg de metalon, 102 kg de plástico e 3.000 kg de entulho reaproveitado. A expectativa é de que até o final da mostra deste ano, quando ocorrerá a desmontagem de todos os ambientes, sejam recolhidas 200 toneladas de rejeitos. Os materiais de revestimentos de parede e pisos serão destinados a projetos sociais. (Da Redação)

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!