COTAÇÃO DE 26/07/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,1740

VENDA: R$5,1740

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,1630

VENDA: R$5,3400

EURO

COMPRA: R$6,1233

VENDA: R$6,1261

OURO NY

U$1.797,46

OURO BM&F (g)

R$299,92 (g)

BOVESPA

+0,76

POUPANÇA

0,2446%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Negócios Negócios-destaque

Setor de energia solar é o que mais gera oportunidades de emprego

COMPARTILHE

Crédito: Divulgação

Há alguns anos a instalação de placas solares em casa era algo distante da realidade de muitos brasileiros por causa do alto custo.

Agora, o Brasil entrou para o grupo de 20 países líderes em energia solar no mundo. Segundo a Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar), os sistemas de geração de energia solar, instalados nos telhados de residências e empresas, atingiram 3 GW de potência instalada no País, o que é suficiente para abastecer 1,2 milhão de casas.

PUBLICIDADE

A família da jornalista Gabriela Tavares Vale, 23 anos, por exemplo, foi uma das primeiras que resolveu apostar nas placas solares na construção da casa, no Distrito Federal.

“Não é barato e, na época, ainda era algo novo, mas meu pai investiu. Direcionamos a conversão da energia captada para o aquecimento de água”, lembra Gabriela Vale.

Além da água quente – às vezes, até demais -, a geração de energia aliviou o bolso da família. “Tivemos uma redução muito grande na conta. Antigamente, vinha R$ 150 ou R$ 200. Hoje, não passa de R$ 100”, relata a brasiliense.

O plano, agora, é usar a capacidade de produção em outros equipamentos, como televisão, iluminação e outros eletrodomésticos. «Nos dias de muito sol, captamos bastante energia e poderíamos utilizar para todas essas coisas ao mesmo tempo”, explica Gabriela Vale.

Não são só as casas brasileiras têm se beneficiado. Além de energia, a tecnologia elétrica solar também gera empregos. De acordo com a associação, em 2019, o setor gerou ao Brasil R$10,7 bilhões em novos investimentos e mais de 63 mil empregos.

Para o presidente do Conselho de Administração da Absolar, Ronaldo Koloszuk, a energia renovável é um agente transformador que pode reduzir o desemprego.

“Em um país com cerca de 13 milhões de desempregados, a energia solar fotovoltaica é um investimento estratégico para a geração de emprego e renda, inclusive em regiões remotas do Brasil”, avalia.

Quem atua no setor elétrico tem se especializado cada dia mais e buscado por profissionais experientes, já que a tendência é de crescimento do mercado. Por isso, cursos de qualificação nesta área estão em alta. Dos 24 cursos voltados para energias renováveis no Serviço Brasileiro de Aprendizagem Industrial (Senai), 14 se dedicam à energia solar.

Foi em um deles que o hoje estudante universitário Vinícius Paiva de Araujo, 18 anos, se inscreveu em 2016, quando ainda cursava o ensino médio. “Sempre tive muito interesse pela questão física mesmo de como funciona uma placa solar, o que acontece dentro dela para gerar energia e como as pessoas podem fazer pra melhorar essa tecnologia”, explica o jovem.

Vinícius Araujo concilia o curso técnico de Eletricista de Sistemas Fotovoltaicos, no Senai/DF, com a faculdade de Estatística, na Universidade de Brasília (UnB). O jovem se interessou tanto pelo assunto que ele pretende trocar a Estatística pela Engenharia Elétrica, por meio do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).

A ideia é se especializar mais para atuar no setor elétrico. “Ainda tem muita coisa para descobrir e aprimorar nesse mercado de trabalho. Ele ainda é, relativamente, novo e tem espaço para crescer”, afirma o estudante, que conta com o apoio da família.

De olho na ascensão da profissão, o Senai vai ampliar a oferta de cursos em energia solar para novos estados, como Mato Grosso, Santa Catarina, Amapá, Amazonas e Piauí. A iniciativa é fruto da parceria com a Absolar, o Ministério de Minas e Energia (MME) e com a Agência Alemã de Cooperação Internacional (GIZ, na sigla em alemão), por meio da iniciativa Profissionais para Energias do Futuro.

Ronaldo Koloszuk explica que a iniciativa conjunta reforça a responsabilidade das instituições parceiras com a capacitação de qualidade e continuada dos profissionais do setor.

“Com o mercado crescendo exponencialmente, existe uma demanda elevada no setor por profissionais capacitados para instalar sistemas em residências, comércios, indústrias, propriedades rurais, prédios públicos e em usinas de grande porte”, destaca Koloszuk.

O engenheiro eletricista Leonardo Alves Coelho, 38 anos, se lançou no mercado de energia solar em 2017. Com um sócio, fundou a Lumiere Energia, especializada em soluções com energias sustentáveis.

“Demorou um pouco até eu fechar o primeiro serviço, mas depois deslanchou”, afirma Leonardo Coelho. Aos poucos, a empresa construiu reputação e uma carteira variada de clientes, desde residências à empresas.

De acordo com a Lumiere, o investimento feito se paga em até 7 anos e os sistemas têm vida útil de até 25 anos.

Hoje, a empresa conta com três equipes fixas, formadas por profissionais autônomos, que precisam conhecer as exigências de segurança para atuar na empresa.

“Fornecemos equipamentos de proteção individual (EPIs), mas o conhecimento das normas é fundamental, nós exigimos os certificados. Na maioria dos serviços é necessário um eletricista formado e alguns auxiliares”, explica o engenheiro. A meta dele é contratar mais colaboradores e expandir a atuação da Lumiere Energia para todo Brasil até 2023. (Com informações da Agência CNI)

Ibitu prevê aporte de R$ 5 bi no País

São Paulo – A Ibitu Energia, detida pela gestora de recursos Castlelake, tem planos de investir entre R$ 4 bilhões e R$ 5 bilhões em energias renováveis no Brasil nos próximos cinco anos, informou a empresa ontem.

O anúncio foi feito após a gestora norte-americana ter fechado a aquisição da unidade de geração da construtora Queiroz Galvão no País.

Por meio da Ibitu Energia, a Castlelake passou a operar uma carteira de empreendimentos locais que soma 832 megawatts em capacidade.

A objetivo da Ibitu Energia é dobrar a capacidade instalada nos próximos cinco anos, disse o presidente da companhia, Gustavo Ribeiro.

“Estamos avaliando todas as possibilidades para sustentar nossa expansão e trabalhamos, simultaneamente, na estabilização da companhia nos aspectos operacionais, organizacionais e financeiros”, afirmou ele, em nota.

O executivo acrescentou que a expansão poderia se dar tanto com investimento em novos projetos (greenfield) quanto por meio da aquisição de ativos existentes (brownfield).

A empresa também informou que está em estudo o desenvolvimento de novos projetos de geração eólica, solar ou híbrida (combinando ambas as fontes) que totalizariam mais de 1,2 gigawatts.

Além do negócio com a Queiroz Galvão, a gestora americana Castlelake já havia investido no Brasil por meio da Vientos Energy, que comprou dois projetos solares. (Reuters)

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!