COTAÇÃO DE 14/05/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,2710

VENDA: R$5,2710

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,2700

VENDA: R$5,4330

EURO

COMPRA: R$6,3961

VENDA: R$6,3990

OURO NY

U$1.843,90

OURO BM&F (g)

R$311,62 (g)

BOVESPA

+0,97

POUPANÇA

0,2019%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Negócios

Suívie produzirá bebida à base de jabuticaba em Minas

COMPARTILHE

Crédito: Divulgação/Suívie
Crédito: Divulgação/Suívie

Pertencente ao grupo das “berries” – as famosas frutas vermelhas e roxas responsáveis pelas ações antioxidantes no organismo -, a jabuticaba tem ganhado cada vez mais notoriedade no Brasil e no exterior. Em Minas Gerais ela já é famosa e reconhecida, principalmente pelos lados de Sabará, na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH), onde pequenos produtores locais transformam a fruta em verdadeiras iguarias que só uma boa cozinha mineira tem.

E se a jabuticaba fosse transformada em bebida? E se essa bebida já fosse famosa em países da Europa? Melhor: e esse produto fosse fabricado em Minas Gerais? Pois é isso que vai acontecer em 2021.

PUBLICIDADE

Depois de instalar uma unidade piloto no interior de São Paulo e comprovar o sucesso da Suívie – uma infusão de jabuticaba, maçã e gengibre -, a empresa suíço-brasileira homônima transfere agora a linha de produção para a região de Viçosa, na Zona da Mata mineira. Quem conta é um dos sócios da empresa, Gustavo Santos.

“O piloto foi feito em São Paulo, até porque estávamos lançando e validando o produto no mercado europeu. Iniciamos no exterior, porque contávamos com o fator exótico. Tivemos uma ótima aceitação, já estamos também na capital mineira e durante 2021 daremos prosseguimento à comercialização em outros locais como Santa Catarina, Brasília e Goiás, para termos uma primeira impressão de como o brasileiro receberia.”, explicou.

A nova escalada inclui a transferência das operações fabris para o interior de Minas Gerais. “Já temos a receita, estamos com o produto lançado e ascensão em alguns dos principais mercados, com vendas excelentes e giro interessante. Nossa projeção para 2021 é de 500 mil a 1 milhão de garrafas apenas para o mercado brasileiro”, revelou.

Embora não tenha citado mais detalhes sobre a nova linha, Santos contou que desde o início do projeto, em 2018, foram investidos cerca de R$ 4 milhões em pesquisa e desenvolvimento e operação. Já os fornecedores da fruta estão localizados no interior de São Paulo, onde há pomares para produção em escala industrial, o que, conforme o empresário, não foi viável em Sabará. Mas a cadeia não para por aí.

Uma vez produzido o Suívie, é realizado comércio direto com agricultores não apenas na Suíça, mas também no Brasil por meio da subsidiária local. “O fruto utilizado em nossa infusão nos permitiu criar até 40 novos empregos locais na fazenda do interior de São Paulo, gerando renda na região que mais precisa, enquanto se desenvolve. Além de condições de trabalho mais justas e qualitativas”, completou.

Na Europa, a maçã orgânica suíça é cultivada no vale principal dos Alpes, também diretamente dos produtores. No mercado internacional, a bebida já conquistou paladares exigentes na Suíça, Reino Unido, Bélgica, Luxemburgo e até em Hong Kong, com expansão já iniciada para outros países.

Ideia – A jabuticaba vive um boom de estudos científicos vinculados ao seu potencial de aplicação na indústria médica e farmacêutica, dado o elevado teor de antocianinas e consequente aplicação como agente antioxidante, um dos mais altos do mundo.

A partir da ideia de uma bebida que contasse com todos os benefícios da fruta, surgiu a Suívie – uma infusão da fruta com suco de maçã e um toque de gengibre, funcional e 100% natural. Além de antioxidante, ela também é rica em vitaminas C e E, cálcio, ferro, potássio e fósforo, apresentando impacto positivo no funcionamento cardiovascular, no sistema imunológico e na saúde da pele e do cabelo.

Além disso, conta com baixas calorias e não tem adição de açúcares, adoçantes, intensificadores de sabor ou conservantes. A infusão criada permite a conservação de todas as propriedades nobres do fruto, junto com cor, aroma e sabor, deixando de lado o peso das calorias. “Que nós brasileiros façamos a redescoberta desta que é uma das frutas mais raras do planeta e tem condição ímpar de produto funcional. Temos nossa própria berry”, finalizou.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!