COTAÇÃO DE 26/07/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,1740

VENDA: R$5,1740

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,1630

VENDA: R$5,3400

EURO

COMPRA: R$6,1233

VENDA: R$6,1261

OURO NY

U$1.797,46

OURO BM&F (g)

R$299,92 (g)

BOVESPA

+0,76

POUPANÇA

0,2446%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Negócios Negócios-destaque
Crédito: Pixabay

Dificuldades no abastecimento e o fechamento do comércio devido à pandemia de Covid-19 afetaram o consumo de celulares no segundo trimestre de 2020 e resultaram em uma das piores quedas de vendas da categoria. Segundo o estudo IDC Brazil Mobile Phone Tracker 2Q2020 realizado pela IDC, líder em inteligência de mercado, serviços de consultoria e eventos para os mercados de tecnologia da informação, telecomunicações e tecnologia de consumo, de abril a junho foram vendidos 9.631.424 aparelhos, queda de 30,7% em relação ao mesmo período de 2019.

“No início do ano tínhamos um cenário favorável, mas a pandemia afetou praticamente todos os setores e não foi diferente com o mercado de celulares, que sofreu com a falta de componentes provenientes da China e com o aumento de preços devido às flutuações cambiais”, diz o analista de pesquisa e consultoria em Consumer Devices da IDC Brasil, Renato Meireles.

PUBLICIDADE

Segundo ele, o impacto só não foi pior graças aos canais de venda on-line, que expressaram movimento acima da expectativa, mas não o suficiente para minimizar a queda no segundo trimestre. “As preocupações com a saúde e com o desemprego levaram as pessoas a ficar em casa e a diminuir o interesse pela compra de um celular”, afirma Meireles.

Do total de aparelhos vendidos nos meses de abril, maio e junho, 8.745,054 foram pelos canais oficiais, sendo 8.353,195 smartphones e 391.858 feature phones, quedas de 31,1% e 54%, respectivamente, em relação ao segundo trimestre de 2019. No mercado cinza, foram vendidos 790.431 smartphones, alta de 8,3% em relação ao 2º trimestre de 2019, e 95.939 feature phones, queda de 51,1% também ano a ano.

No grey market a surpresa foi o resultado de vendas de smartphones, único setor que apresentou crescimento. Já a retração nas vendas de features phones também já era prevista. “Esta categoria ainda tem fôlego, embora com participação bem menos relevante, com 5% do mercado. Em regiões mais remotas ou para consumidores que não são adeptos ou precisam da tecnologia dos smartphones, o custo benefício do feature phone é um atrativo”, pondera Meireles.

Segundo o estudo da IDC Brasil, a categoria mais vendida no segundo trimestre de 2020 – também considerando as vendas no mercado oficial e no cinza – foi a de smartphones intermediários (high end), com 3.363.076 unidades e preço entre R$ 1.100 e R$ 1.999. Na sequência, com 3.247.741 de unidades vendidas, ficaram os mid end, modelos com preços de entrada entre R$ 700 e R$ 1.099. 

Tíquete médio – Em termos de preços, os índices do 2º trimestre de 2020 são todos de alta. No período, o preço médio de um smartphone foi de R$ 1.539 no mercado oficial e de R$ 1.727 no grey market, altas de 22,9% e 36,2%, respectivamente, em relação ao 2º trimestre de 2019. O tíquete médio dos features phones também ficou 39,5% mais alto no mercado oficial, e 24,6% no grey market.

Já quando se comparam os preços do 2º trimestre com os do 1º trimestre de 2020, a alta não é tão acentuada. De janeiro a março, o tíquete médio do smartphone, por exemplo, foi de R$ 1.476 e do feature phone foi de R$ 143 (média de preços considerando o mercado oficial e o paralelo).

Ainda segundo o IDC Brazil Mobile Phone Tracker 2Q2020, a receita total do mercado de celular no 2º trimestre de 2020 foi de R$ 14,846 bilhões, 8,5% a menos do que o mesmo período de 2019. Desse montante, smartphones respondem por R$ 14,30 bilhões (R$ 1,365 bilhão no cinza e R$ 12,85 bilhões no mercado oficial), e feature phones por R$ 82,64 milhões (R$ 10,31 milhões no cinza e R$ 72,32 milhões no oficial).

Expectativas – Para o terceiro trimestre de 2020, é esperada uma retomada gradual das vendas. “O momento ainda é de cuidados com a saúde e de muita cautela fora de casa, mas a reabertura das lojas físicas é muito importante para a retomada das vendas de celular e a tendência é de diminuição dos índices de queda nas vendas. A categoria deve acompanhar os indicadores macroeconômicos que projetam melhorias do PIB e também ser favorecida pelo auxílio emergencial estendido até dezembro”, conclui Meireles.

 

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!