COTAÇÃO DE 19/01/2022

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,4650

VENDA: R$5,4660

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,5000

VENDA: R$5,6270

EURO

COMPRA: R$6,2355

VENDA: R$6,2384

OURO NY

U$1.842,40

OURO BM&F (g)

R$325,08 (g)

BOVESPA

+1,26

POUPANÇA

0,6324%%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Opinião
" "
Para analistas, movimento refletiu a preocupação dos investidores com os comentários do candidato sobre Previdência e privatizações - Crédito: Ricardo Moraes/Reuters

ARISTOTELES ATHENIENSE *

O recente episódio originário da proposta do secretário da Receita Federal, Marcos Cintra, de incluir Igrejas na cobrança de um novo tributo, não durou mais que 24 horas.

PUBLICIDADE




Tão logo veio a público, a bancada evangélica acionou Bolsonaro, que logo se declarou surpreso com a notícia, reafirmando o seu compromisso eleitoral de não criar qualquer imposto em seu governo. E, com maior razão, se afetasse as Igrejas, tendo em conta o seu “excelente trabalho social prestado a toda a comunidade”.

Segundo a “Folha” apurou, só o município da capital paulista perde R$110 milhões por ano em não cobrar IPTU dos templos religiosos. A vedação constitucional dessa cobrança é a mesma que atinge os partidos políticos e sindicatos.

A proposta do secretário Marcos Cintra seria a de criar contribuições que são arrecadadas com finalidade específica, que acabariam com a contribuição previdenciária que incide sobre as folhas de pagamento.

À primeira vista, a minirreforma dissimulada, não merecendo ser afastada, de pronto, como aconteceu, seria uma forma razoável de elevar a arrecadação pela qual Marcos Cintra é um dos responsáveis.




O secretário agira dentro de sua competência, contando com a aprovação implícita de seu superior hierárquico. o combate sofrido não deixa de ter inegável substrato político. Como tanto na Câmara, como no Senado, a maioria de seus membros tem credos religiosos diversos, tudo indica que a instituição de um novo imposto jamais será aprovada.

Em face da repercussão negativa que a sugestão provocou, e ainda que a base da contribuição previdenciária tenha vicejado na maioria dos países, no Brasil está fadada ao fracasso.

Curiosamente, a proposta do secretário da Receita parecia ter decorrido somente do conceito que faz sobre o tema, com o ministro Paulo Guedes mantendo-se silente até que Bolsonaro cortou, em definitivo, a sua trajetória.

Como Paulo Guedes será o mentor da reforma Tributária, essa pronta resistência é suficiente para que possamos encontrar naquela oposição o seu desfecho irreversível.

  • Advogado, Conselheiro Nato da OAB e Diretor do IAB
Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!