COTAÇÃO DE 16 A 18/10/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,4540

VENDA: R$5,4540

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,4700

VENDA: R$5,6130

EURO

COMPRA: R$6,3181

VENDA: R$6,3210

OURO NY

U$1.767,23

OURO BM&F (g)

R$309,68 (g)

BOVESPA

+1,29

POUPANÇA

0,3575%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Opinião Opinião-destaque

A pandemia e o adiamento das eleições

COMPARTILHE

Crédito: REUTERS/Rodolfo Buhrer

André Ziegmann*

A política é uma atividade de contato. Por isso, devido ao contexto da pandemia de Covid-19, veio em boa hora o adiamento das eleições municipais desse ano, para novembro. Mesmo assim, não será um pleito totalmente normal, e a doença e o adiamento trarão alguns desafios para candidatos e candidatas.

PUBLICIDADE

O primeiro, e mais óbvio, é que eleição significa aglomeração. Elas começam no período de escolha de candidatos e formação das alianças, e aumentam no período da campanha propriamente dita. É nesse momento que se iniciam os comícios, eventos de todos os tipos e o famoso corpo-a-corpo dos candidatos. Sendo a política uma atividade de contato, ele se intensifica nos períodos eleitorais.

Contudo, mesmo com o Covid-19 estando razoavelmente controlado no período da disputa, ainda haverá a memória do sofrimento e das dificuldades da crise sanitária.

Isso levará ao fortalecimento de todas as mídias, como instrumentos de propaganda e aproximação com os eleitores. E não serão apenas as redes sociais. O rádio e a televisão, de forma inesperada, também, pois atingem as populações mais carentes.

Um segundo obstáculo, será a forma como a população irá avaliar a postura diante da pandemia daqueles que pretendem se eleger para algum cargo. Muitos, sejam eles candidatos à reeleição, ou da situação, que se prepararam para um ano de realizações, tiveram que gerir uma grande crise.

Outros ainda podem ser cobrados por suas declarações e atitudes diante do problema. De qualquer forma, toda a situação embaralhou as corridas eleitorais desse ano. É a fortuna da política, já destacada por Nicolau Maquiavel no século XVI, no livro O Príncipe.

Outro elemento de dificuldade, e esse é o único aspecto negativo do adiamento, é o curto período da eleição até a posse de prefeitos e prefeitas. Por exemplo, aqueles eleitos no segundo turno, que agora ocorrerá no dia 29 de novembro, terão praticamente um mês de transição para organizar uma gestão de quatro anos.

Mas o grande desafio dos governos locais brasileiros não será vencido pelos eleitos e eleitas no pleito desse ano. Ele é anterior, e diz respeito à ampliação da autonomia dos municípios, e à criação de mecanismos que incentivem os governos municipais a cooperar, com o intuito de solucionar problemas comuns.

Esse obstáculo só pode ser vencido pelo Congresso Nacional. Até porque, não só de reformas econômicas vive um país.

*Mestre em Ciência Política e professor do Centro Universitário Internacional Uninter

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!