COTAÇÃO DE 21/10/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,6670'

VENDA: R$5,6680

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6800

VENDA: R$5,8270

EURO

COMPRA: R$6,5669

VENDA: R$6,5699

OURO NY

U$1.783,12

OURO BM&F (g)

R$323,30 (g)

BOVESPA

-2,75

POUPANÇA

0,3575%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

exclusivo Opinião Opinião-destaque

A pandemia e o chamamento à consciência

COMPARTILHE

Crédito: Pixabay

Ênio Meinen*

As consequências da presença e da disseminação do novo coronavírus são de várias naturezas, e a mais extrema, para sempre sentida, é a dor pela perda de muitas vidas humanas ao redor do mundo.

PUBLICIDADE

Além de chorar as ausências, e também por isso, passaremos por um longo e agudo sofrimento psíquico, resultado do isolamento entre nós, da restrição de locomoção, da contenção de atividades profissionais, do medo, da ansiedade, da aflição, das narrativas desencontradas, do estresse pós-traumático e de outros aspectos envolvidos nesse drama sem paralelo em nossa geração.

Outros dois impactos do flagelo, como causa e efeito, são de ordem econômica e social, dado que a economia entrou em colapso e, por decorrência, empregos e renda se perderam e não poderão ser compensados nos mesmos níveis pelos governos. Os que já eram vulneráveis, por sua vez, ficaram ainda mais desprovidos.

Daí que a solidariedade, tanto para trazer conforto espiritual, como para reduzir limitações de ordem material, passa a assumir uma importância superlativa. Com ela, reduzimos as distâncias e as carências nas duas dimensões.

É hora, portanto, de os agentes econômicos – em fidelidade aos mandamentos de um capitalismo consciente – e as pessoas estenderem as mãos, mesmo que não presencialmente, cada qual segundo as suas características e de acordo com as suas possibilidades, para que todos tenham a condição, ainda que mínima, de fazer a travessia.

No âmbito do cooperativismo, cujo “porquê” repousa sobre valores universalmente aplicados (entre eles, em destaque, justamente a solidariedade), o apoio aos não autossuficientes, seja qual for a causa e a extensão da adversidade, sempre foi seu principal compromisso e o seu cotidiano, razão pela qual o momento não lhe impôs acionar emergencialmente e pontualmente o modo humanitário ou de chamamento à consciência.

As cooperativas financeiras, em particular, desde o princípio da crise honraram o seu propósito, acolhendo e abraçando a sua gente e o seu entorno, provendo soluções voltadas ao enfrentamento da doença, à resiliência econômica e à mitigação de privações básicas.

Entre as muitas ações que se seguiram às primeiras providências voltadas à preservação da saúde e da vida dos colaboradores, cooperados e fornecedores, estão:

1) a prorrogação das parcelas presentes dos créditos concedidos aos cooperados vitimados, sem lhes impingir aumento na taxa de juros, cobrar-lhes tarifas ou lhes exigir novas garantias;

2) a renovação automática de limites e a prestação de assistência creditícia aos mesmos públicos, com taxas realmente favorecidas e prazos condizentes com a realidade;

3) o alongamento da carência e dos vencimentos finais de várias linhas de crédito, combinado com a diminuição das taxas de juros;

4) a aplicação de redutor nas taxas de administração dos consórcios, que já eram as mais vantajosas do mercado, e elevação de margens para compras com cartões de crédito;

5) a redução ou mesmo eliminação total de tarifas e preços, inclusive pela aplicação do mecanismo de “cashback”, para um conjunto de operações e serviços, notadamente envolvendo movimentação de conta-corrente, cobrança bancária, adquirência/maquininhas de cartões (suspensão do aluguel dos equipamentos, por exemplo) e cartões;

6) o pagamento integral de todos os benefícios por morte ou invalidez permanente por Covid-19, inclusive para contratos em que haja exclusão explícita de pandemias;

7) a doação de recursos a instituições de saúde, em inúmeras comunidades, com vistas ao combate do Covid-19 (destinados, prioritariamente, à ampliação de leitos e aquisição de produtos, EPIs e novos kits de testes);

8) a prospecção e a execução de projetos de caráter assistencial/filantrópico visando a amparar as pessoas mais desguarnecidas nas respectivas bases de atuação, por meio da valorização de recursos e ativos locais;

9) a implantação, no âmbito do Sicoob, de programa com abrangência nacional designado “Período Apoiador”, voltado à orientação e ao estímulo para as equipes das cooperativas dedicarem uma atenção especialmente humanizada aos cooperados e às suas comunidades, sobretudo por meio (i) da abordagem consciente, acolhedora e altruísta; (ii) da oferta de soluções adequadas às necessidades e sob condições operacionais compatíveis com o momento; (iii) de medidas de cidadania, com ênfase à proteção e inclusão sociais.
Enfim, em um contexto de tantas incertezas e muitas promessas inautênticas, uma certeza e uma verdade: o cooperativismo financeiro, fiel ao seu ideário, segue dando o exemplo!

*Membro do conselho deliberativo do Instituto Capitalismo Consciente Brasil (ICCB) e diretor de operações do Banco Cooperativo do Brasil (Bancoob)

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!