COTAÇÃO DE 26/07/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,1740

VENDA: R$5,1740

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,1630

VENDA: R$5,3400

EURO

COMPRA: R$6,1233

VENDA: R$6,1261

OURO NY

U$1.797,46

OURO BM&F (g)

R$299,92 (g)

BOVESPA

+0,76

POUPANÇA

0,2446%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Opinião

Desaceleração global atrapalha, mas também pode ajudar o Brasil

COMPARTILHE

Crédito: REUTERS/Ueslei Marcelino

Elisa Bacha Lamounier*

Depois de um começo de ano pouco animador, a aprovação da reforma da Previdência trouxe novo alento aos agentes econômicos. Ainda que votada apenas em primeiro turno, o protagonismo assumido pelo Legislativo compensou em parte um Executivo ruim de articulação política e abriu novos horizontes para a aprovação de medidas importantes para a reorganização da economia brasileira. Sem dúvida, a sinalização foi boa, mas necessita ser referendada em segundo turno e em duas votações no Senado.

PUBLICIDADE

Outros fatores positivos foram a privatização da Petrobras Distribuidora e a venda da participação que o Tesouro Nacional e o Banco do Brasil possuíam no IRB, o Instituto de Resseguros do Brasil. As duas operações renderam mais de R$ 15 bilhões, mostrando ser grande o apetite dos investidores. O momento parece ser promissor para deslanchar o programa de privatizações, reforçando o caixa do governo e reduzindo a dívida pública, além de incrementar a eficiência na economia.

Igualmente relevante é o controle da inflação. O Banco Central vem desenvolvendo a política monetária com muita habilidade. O IPCA, indicador que baliza a política de metas de inflação, tem ficado abaixo do objetivo para este ano, que é de 4,25%, e as projeções do mercado indicam que deverá ficar dentro ou abaixo da meta até 2021, e levemente acima em 2022. Sendo baixo o nível da atividade econômica, nunca o ambiente para uma redução mais expressiva nos juros foi tão favorável. É possível, e provável, que os juros caiam nos próximos trimestres para novos recordes de baixa, com impacto significativo para os gastos financeiros do governo e do setor privado. Taxas de juros baixas podem também ajudar a deslanchar o mercado de capitais, estimulando emissões de ações, de debêntures e de outras modalidades de captação por parte das empresas no lado real da economia, barateando o custo do capital.

No âmbito externo, o momento da economia global gera apreensão: depois de um período de bom crescimento, a atual desaceleração preocupa, pois expõe as atuais limitações dos instrumentos de política econômica. Com efeito, o mundo ainda parece sofrer com as sequelas da crise das hipotecas de 2008. As dívidas das famílias continuam elevadas, o que limita o crédito e, consequentemente, a expansão do consumo, que provavelmente continuará lenta. Os principais países possuem elevado endividamento público, reduzindo a capacidade da política fiscal em estimular a economia. As diabruras do presidente norte-americano, quebrando regras bem estabelecidas do comércio internacional, desorganizaram parte das cadeias globais de negócios, gerando desconfiança e incerteza, o que produziu uma forte retração nos investimentos. Por fim, as taxas de juros estão muito baixas, o que limita a força da política monetária em gerar novos estímulos.

Ainda assim, os bancos centrais mundo afora estão agindo, relaxando ainda mais suas políticas e prometendo, se necessário, medidas adicionais de estímulo, o que provavelmente incluirá uma nova rodada de expansão monetária, o tão famoso QE (quantitative easing), a injeção de liquidez para reduzir o custo e estimular o crédito, principalmente na zona do euro. Esses movimentos podem ser vistos em todas as partes do globo, da América do Norte e Europa, até a Ásia e Oceania. A percepção de que os juros permanecerão num nível muito baixo por um período extremamente longo, deverá levar os investidores a aumentarem suas apostas nos mercados de maior risco, como bolsas de valores e países emergentes. Portanto, a despeito das ressalvas feitas, a conjuntura internacional poderá ser vantajosa para o Brasil.

Cabe agora ao governo encaminhar outras medidas para criar as condições de crescimento da economia e do emprego, mas para isso terá que agir com sensatez. A proposta de imposto único ou de retorno da CPMF, por exemplo, é um passo atrás. A oportunidade está sobre a mesa. Deixando de lado o discurso excessivamente ideológico, temos todas as condições para aproveitá-la.

* Mestre em engenharia , CEO e sócio-fundadora da Sparks Capital, cofundadora do Ciclo de Estudos e Política, Economia e História – www.lamounier.site

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!