COTAÇÃO DE 15/01/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,3032

VENDA: R$5,3042

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,3300

VENDA: R$5,4530

EURO

COMPRA: R$6,3735

VENDA: R$6,3752

OURO NY

U$1.825,72

OURO BM&F (g)

R$309,68 (g)

BOVESPA

+1,27

POUPANÇA

0,1159%

OFERECIMENTO

Mercantil do Brasil - ADS

INFORMAÇÕES DO DOLAR

livre Opinião Opinião-destaque

EDITORIAL | A estratégia do fracasso

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Crédito: REUTERS/Nick Oxford

A alta administração federal entende que propõe um choque de modernidade ao imaginar o que compreende ser um Estado mais leve, focado exclusivamente nas suas funções básicas, deixando de lado mesmo aquelas que podem ser consideradas estratégicas, como a área de energia e, particularmente, de combustíveis.

Foi em nome dessas convicções, não raro aplaudidas a partir de avaliações ligeiras, que os preços dos derivados de petróleo foram atrelados às cotações internacionais, que representam no mundo real o exemplo mais notório de especulação e de manipulações políticas internacionais. O Brasil, contraditoriamente, alcança autossuficiência em produção de óleo cru e ao mesmo tempo cai nessa armadilha e promove uma escalada de preços que envolve riscos bem mais amplos, considerada a dependência do transporte sobre rodas, movido a óleo diesel.

Das consequências dessa orientação nos fala o presidente da Federação Nacional do Comércio de Combustíveis e Lubrificantes, Paulo Miranda Soares. Para ele, caso as privatizações e concessões não sejam feitas “de forma responsável” o apagão no abastecimento é hipótese que terá de ser considerada.

Para ele, se o mercado for aberto da forma que o governo anuncia, tudo ao mesmo tempo e não paulatinamente, certamente teremos uma situação semelhante à ocorrida no governo Fernando Henrique com a energia elétrica.

A abertura, que muitos entendem como sinal de modernidade, pode até ser levada adiante, diz o empresário, mas não sem que antes o governo melhore a infraestrutura. E dá como exemplo a Refinaria Gabriel Passos, em Betim, uma das unidades da Petrobras apontadas como “privatizáveis”.

Se hoje ela parar para manutenção, o próprio governo supre a demanda a partir de outros fornecedores, porque esta é uma questão estratégica. Uma empresa privada provavelmente não terá essa visão, muito menos essa obrigação.

O diretor da Agência Nacional do Petróleo, Aurélio Amaral, presente à mesma reunião, não enxerga os riscos apontados. Para ele, mesmo que não se saiba exatamente qual será, de fato, o rumo das privatizações, existem estudos que descartam a possibilidade de apagão, repetindo o discurso de governos anteriores que realizaram movimentos semelhantes prometendo concorrência, investimentos e melhor atendimento, inclusive quanto a preços, hipóteses que não se confirmaram na escala prometida. Ou finge também não enxergar que já é cobrado mais de R$ 5 pelo litro da gasolina, enquanto o diesel vai se transformando numa bomba em cujo pavio os caminhoneiros abertamente ameaçam tocar fogo.

O que não faz sentido mesmo é continuar tratando como político um assunto que é econômico ou, antes, estratégico.

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

VEJA TAMBÉM

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!