COTAÇÃO DE 13/05/2022

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,0570

VENDA: R$5,0580

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,1500

VENDA: R$5,2590

EURO

COMPRA: R$5,3163

VENDA: R$5,3179

OURO NY

U$1.810,48@

OURO BM&F (g)

R$303,69 (g)

BOVESPA

+1,17

POUPANÇA

0,6672%

OFERECIMENTO

Opinião

EDITORIAL | A receita do desastre

COMPARTILHE

Crédito: REUTERS/Ueslei Marcelino

O Banco Central, conforme dito na ata da última reunião – semana passada – do Comitê de Política Monetária (Copom), reconhece o que chama de “deterioração na dinâmica inflacionária”, apesar do ajuste intenso dos juros, apontando como causa  as pressões internacionais e tendo como principal fator a guerra na Ucrânia, com impacto maior nos países emergentes. Em teoria, não faltarão os que darão como correta a análise, ainda que para isso devam também admitir que a escalada dos juros no Brasil é anterior aos movimentos agora assinalados.

Como disse, em outras circunstâncias, o economista mineiro Fernando Roquete Reis, estamos diante de um prognóstico que parece pior que o próprio diagnóstico. Segundo o Banco Central, o quadro enxergado pode significar que, adiante, a possibilidade de desaceleração ainda maior da economia deve ser considerada. Nessas circunstâncias, com produção, renda e consumo retraídos, a elevação da taxa básica de juros a 12,75% ao ano reforça também a conclusão de que os doutores responsáveis pela economia brasileira não consideram que a política monetária tanto pode ser remédio como veneno, persistindo numa teimosia que é antiga e prossegue sem ter explicação que faça sentido ou de fato possa convencer.

PUBLICIDADE




E tanto pior quando as incertezas externas ganham proporções que não eram percebidas faz tempo, sem qualquer garantia de que demanda e preços das commodities que mais interessam ao País possam ser mantidas em nível que nos favoreçam. E, num quadro mais amplo, como vem sendo apontado e o BC endossa, permanece a convicção de que como maior ou menor velocidade, os principais países buscarão recompor a autonomia de sua produção interna, de alguma forma desconstruindo os fundamentos da outrora tão celebrada globalização.

Cabe perceber este ambiente com muita clareza e tanta objetividade quanto possível, antecipando tendências e procurando movimentos adequados. Para o Brasil, que viveu nas últimas décadas um processo de desindustrialização, as tendências, também nessa perspectiva, são preocupantes, na medida em que podem afetar as cadeias de suprimento. Sugerindo esforços, por difíceis que sejam, para suportar a indústria local, investimentos e produção, acreditando, de fato, que não existem alternativas que se sustentem fora deste caminho.

São conclusões que, em última análise, evidentemente ainda que com alguma dose de sutileza, são induzidas pela própria ata do Copom.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!