COTAÇÃO DE 21-01-2022

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,4550

VENDA: R$5,4550

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,4870

VENDA: R$5,6130

EURO

COMPRA: R$6,1717

VENDA: R$6,1729

OURO NY

U$1.829,52

OURO BM&F (g)

R$320,53 (g)

BOVESPA

-0,15

POUPANÇA

0,6107%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Opinião

EDITORIAL | As raposas e o galinheiro

COMPARTILHE

" "
Crédito: Freepik

Contados até terça-feira última, o número de mortos, vítimas da Covid-19, somavam no Brasil 232 mil pessoas. Calamidade que absolutamente não se reflete no ambiente político em Brasília, agora ocupado com a costura de alianças tendo em conta as eleições presidenciais do próximo ano.

Vencida a etapa da troca de comando na Câmara dos Deputados e no Senado, espécie de prévia do que veio depois, os movimentos agora são nessa direção e como se nada de mais relevante estivesse acontecendo num país que convive ainda com problemas estruturais que se acumulam, sem perspectiva de solução, também no âmbito da economia e da gestão pública.

PUBLICIDADE




Com o presidente da República ambicionando um segundo mandato e trabalhando explicitamente com este objetivo, os demais nomes colocados, começando pelo governador de São Paulo, se movimentam para reunir forças e atrair aliados, repetindo, incrivelmente, os mesmos movimentos de sempre. Nada de novo inclusive quando sonham com um candidato-estrela, aparentemente picado pela mosca-azul, que tem na visibilidade seu grande e único apelo.

Impressiona, ainda que comum, a completa ausência de debates que, pelo menos, tangenciem as grandes questões nacionais que nesse momento, por evidente, deveriam colocar em primeiro plano a vacinação, que avança mais lentamente que o desejável e o necessário. Um silêncio que agride e ao mesmo tempo desnuda a origem dos problemas que se avolumam, essencialmente com os mesmos e conhecidos personagens e sem ao menos perspectiva de encaminhamento.

Os projetos, todos eles, continuam sendo de poder exclusivamente, inexistindo espaços para propostas de interesse mais amplo e conteúdo reconhecido, fazendo crer que o jogo da política prossegue submetido a regras das quais não fazem parte o interesse coletivo.

Somos todos, brasileiros, na verdade mal acostumados, aceitando passivamente que assim seja, com as noções públicas de valor e compromisso completamente deterioradas, se não esquecidas.




E perdendo de vista, fundamentalmente, que os erros apontados decorrem de um modelo político exaurido, distorcido exatamente para servir aos interesses que, ao longo de décadas, desde a redemocratização, vem obstando a realização da reforma política, que continua sendo o verdadeiro e necessário ponto de partida para a grande reconstrução que a cada dia que passa fica maior e mais complexa.

E que não acontece exatamente porque são as raposas que continuam tomando conta do galinheiro, como na fábula que bem ilustra nossa realidade.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!