Cotação de 03/08/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,1920

VENDA: R$5,1930

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,1930

VENDA: R$5,3470

EURO

COMPRA: R$6,2205

VENDA: R$6,2217

OURO NY

U$1.810,36

OURO BM&F (g)

R$305,16 (g)

BOVESPA

+0,87

POUPANÇA

0,2446%%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Opinião Opinião-destaque
Crédito: REUTERS/Nacho Doce

Se tudo correr conforme espera o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, o suprimento de eletricidade no Amapá voltará à normalidade operacional até o próximo fim de semana. Solução mesmo, com retorno à normalidade, somente dentro de um mês, estima-se.

O blecaute acontecido no Estado depois da explosão de transformadores na principal subestação de Macapá foi quase total e só passou relativamente despercebido porque aconteceu no mesmo dia das eleições nos Estados Unidos, assunto que passou a ocupar quase todos os espaços e atenções da imprensa. Nos primeiros dias a pane foi quase total, atingindo a tudo e a todos, evidenciando uma situação de precariedade que não pode ser tolerada, ficando por conta do imponderável.

PUBLICIDADE

Segundo relatos, uma tempestade elétrica provocou a pane, atingindo os dois transformadores que pegaram fogo e foram destruídos. Segundo técnicos, uma situação que, fossem outras as condições, na pior das hipóteses deveria ser resolvida em dois dias.

O problema é que a concessionária, a espanhola Isolux, não dispunha de equipamentos e recursos para responder à emergência, que acabou sendo parcialmente contornada com auxílio direto e recursos de empresas públicas nacionais. Uma situação que o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) indiretamente dá por descabida, uma vez que o operador deveria contar com meios para atender à emergência. Com o que concorda a Justiça Federal que no sábado, dia 7, deu à Isolux prazo de três dias para resolver todo o problema, o que não aconteceu, sob pena de multa de R$ 15 milhões.

“É fundamental que investiguem as causas e que os responsáveis sejam exemplarmente punidos para que essa tragédia nunca mais se repita”, disse o presidente do Congresso Nacional, Davi Alcolumbre, que é senador pelo Amapá.

Que sua fala não seja apenas retórica e sim destinada a confirmar  um ritual que tem sido pouco comum em nosso país, em casos dessa natureza. E que o acontecido, sem precedentes na mesma escapa, sirva de advertência para quem enxerga nas privatizações a solução para todos os males ao mesmo tempo em que aponta as estatais como donas exclusivas de todos os pecados. Não é bem assim e no caso em tela, foram elas, as estatais, que socorreram o Amapá, socorreram a própria empresa concessionária, que se demonstrou totalmente despreparada para cumprir suas obrigações.

Que não fique o dito pelo não dito e que a própria Isolux, que já vem negociando a transferência de sua concessão, não saia impune, não deixe de pagar pelos prejuízos que está causando.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!