COTAÇÃO DE 09/04/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,6740

VENDA: R$5,6750

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6570

VENDA: R$5,8330

EURO

COMPRA: R$6,7129

VENDA: R$6,7158

OURO NY

U$1.744,20

OURO BM&F (g)

R$316,53 (g)

BOVESPA

-0,54

POUPANÇA

0,1590%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Opinião Opinião-destaque

EDITORIAL | Espaço para a esperança

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Crédito: Joel santana/Pixabay

Haverá festa em Brasília nesta terça-feira, dia escolhido pelo Planalto para a apresentação de seu plano para recuperação da economia depois que a pandemia passar. O clima no governo, segundo suas próprias fontes, é de confiança e otimismo, sobretudo depois que o ministro Paulo Guedes reafirmou que a retomada do crescimento poderá ser em V, o que significa rapidez na linguagem dos economistas e, numa semana de boas notícias, dados indicaram que a indústria voltou a operar com os mesmos índices de ociosidade anteriores à chegada do coronavírus.

Tudo isso e mais a decisão da Câmara dos Deputados de manter o veto a reajustes do funcionalismo federal, derrubado na véspera pelo Senado, o que implicaria em despesas extras de mais R$ 130 bilhões.

PUBLICIDADE

Com relação aos planos de recuperação da economia, as apostas são de que o governo, com sua capacidade de investimento reduzida a qualquer coisa próxima de zero, reforçará de forma mais objetiva sua opção de parceria com o setor privado, interno e externo. Nessa direção, e sobretudo em circunstâncias que continuam não sendo favoráveis, são necessários esforços consistentes para restaurar a confiança do potencial investidor, o que significa clareza, continuidade e segurança jurídica.

Dentro dessa estratégia, na realidade talvez a única possível, é de se esperar também que venham sinais mais concretos de que reformas finalmente caminharão. Por exemplo, os próprios empresários sabem que na situação atual não existe margem para redução de tributos, mas existe um grande e saudável roteiro de simplificação, que reduz indiretamente custos para quem paga e, com uma boa dose de inteligência, pode também significar mais recursos entrando nos cofres públicos.

Igualmente cabe reforçar, nesse suposto contexto de proatividade, que a esfera pública tem margem, muita até, para afinal cortar gorduras, reduzindo gastos de custeio que seriam vistos como aberrações intoleráveis em sociedades mais ricas e mais evoluídas.

Como foi lembrado nesse espaço recentemente, não há por que, e mesmo que não houvesse tanta pobreza e tantas disparidades, o conjunto da sociedade continuar sustentando os privilégios e mordomias reservados à elite dirigente, na forma de vantagens ou “penduricalhos”, como disse certa vez o presidente da República. Tudo somado, a situação continua sendo de virtual sequestro do Estado e de sua renda, na descabida fórmula muito para poucos.

Como a maioria dos brasileiros, não temos dúvidas de que inverter as expectativas, criando de fato condições para a retomada do crescimento em bases sustentáveis e permanentes, significa seguir este caminho.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!