COTAÇÃO DE 16 A 18/10/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,4540

VENDA: R$5,4540

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,4700

VENDA: R$5,6130

EURO

COMPRA: R$6,3181

VENDA: R$6,3210

OURO NY

U$1.767,23

OURO BM&F (g)

R$309,68 (g)

BOVESPA

+1,29

POUPANÇA

0,3575%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Opinião Opinião-destaque

EDITORIAL | Jogo para amadores

COMPARTILHE

Panoramas do comércio exterior mundial
Crédito: REUTERS/Jason Lee

No sistema político-eleitoral dos Estados Unidos a reeleição para um segundo mandato é processo quase automático, ou uma regra poucas vezes quebrada. Mas o atual presidente, Donald Trump, corre este risco, com seu rival, o democrata Joe Biden aparecendo, nas mais recentes pesquisas, 14 pontos à sua frente.

O jogo ainda não está jogado mas os sinais de mudanças são perceptíveis, com o atual presidente sendo acusado de principal responsável pelas proporções tomadas pela pandemia em seu país e, ao mesmo tempo, pelos efeitos dessa situação na economia, cujo mal desempenho é ponto crucial para que ele perca os apoios que ainda o sustentam.

PUBLICIDADE

Trump reage conforme o esperado e bem ao estilo de seu país. De pronto, passou a usar máscara, coisa que até há pouco se recusava a fazer, ao mesmo tempo que parece ter abandonado o negacionismo com relação ao coronavírus e seus perigos. Por outro lado, e aqui também sem produzir nada que possa ser tido como novo, trata de procurar e apontar inimigos, o que em termos práticos significa em primeiro lugar elevar as tensões com a China, repetindo um jogo de propaganda quase infantil, porém de inquietante potencial.

E repete também o que melhor sabe fazer, tratando de encontrar um inimigo que possa culpar por tudo e ao mesmo tempo capaz, por suposto, de aglutinar apoiadores que, indicam as pesquisas, estão debandando.

Com o planeta enfrentando uma crise sanitária de proporções inéditas e diante da perspectiva de uma recessão também sem comparações possíveis, uma crise, levada ao limite, entre as duas superpotências da atualidade é, seja qual for o ângulo abordado, o pior dos cenários.

E para o Brasil de forma muito enfática, que tem na China seu principal parceiro comercial, mas parece não se dar conta do risco que significa a aliança incondicional a Washington, que bane a cloroquina e nos manda uma grande partida do medicamento, presente que retribuímos deixando de vender ao Irã 150 jatos comerciais, num contrato que poderia ser a salvação da Embraer.

São escolhas pessoais e sem cabimento, porque distantes dos interesses do país e da lógica elementar de uma política externa independente, que absolutamente não representa, como deveria, políticas de Estado. Daqui para frente, e até o mês de novembro, quando acontecerão as eleições presidenciais nos Estados Unidos, estaremos todos diante de uma espécie de vale-tudo.

Com reflexos, na perspectiva dos interesses brasileiros, que só poderão ser danosos. As reações da China, que só no primeiro semestre comprou do Brasil quatro vezes mais que os Estados Unidos, são imprevisíveis e, para completar, as pesquisas de opinião naquele país nos colocam, por enquanto, do lado perdedor.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!