COTAÇÃO DE 29/11/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,6090

VENDA: R$5,6100

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6470

VENDA: R$5,7730

EURO

COMPRA: R$6,3216

VENDA: R$6,3229

OURO NY

U$1.783,43

OURO BM&F (g)

R$322,48 (g)

BOVESPA

+0,58

POUPANÇA

0,4412%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

livre Opinião Opinião-destaque
Crédito: REUTERS/Adriano Machado

Numa referência implícita às manifestações convocadas para o próximo domingo, e tendo como focos o Legislativo e o Judiciário, o presidente do STF, ministro Dias Toffoli, afirmou, no início da semana, que o importante no momento “é o Brasil estar pacificado e voltar a crescer”, acrescentando que as disputas políticas “não podem estar acima dos interesses nacionais”.

Sobre o assumido envolvimento do presidente da República com as manifestações, disse não ser seu papel fazer comentários, muito menos se unir à Câmara dos Deputados e ao Senado numa possível reação conjunta, mas sim ser árbitro e mediar e pacificar quando chamado.

PUBLICIDADE

É certo que o confronto interessa a bem poucos, aqueles que parecem ignorar o que de mais elementar é garantia do sistema político que a Constituição brasileira consagra. E muito menos, como bem lembrou o presidente do Supremo, quando a economia brasileira persiste, pelo terceiro ano consecutivo, em condição de virtual estagnação e tem pela frente incertezas diante das quais a única atitude responsável é a convergência que traduza estabilidade e confiabilidade, condições de sustentação das ações corretivas que vêm sendo desdenhadas, postas de lado, porque o interesse individual, ou de grupos, continua prevalecendo sobre o interesse coletivo, miram as próximas eleições e ignoram projetos que carreguem a ambição de construir um futuro melhor.

Por ironia, algo não muito diferente da pregação eleitoral do hoje presidente da República, que a um só tempo condenava os maus hábitos do passado, a política que tinha como único padrão a ambição, prometendo, se eleito, conduzir o País em direção oposta.

Definitivamente não é o que se possa perceber, tanto quando parecem ainda distantes os resultados prometidos, aqueles que virão somente com união que sustente os sacrifícios necessários e seja o cimento da gestão competente, colaborativa e comprometida com um projeto para o Brasil e para os brasileiros.

Hoje, por suposto, igualmente sensível e comprometida com as precárias condições da economia global, que pode estar no limiar de uma crise de grandes proporções, tendo que enfrentar ao mesmo tempo a ameaça de uma pandemia e de uma recessão que seria na realidade, com agravantes, o desdobramento da crise financeira de 2008/9, enfrentadas com paliativos e não com o reconhecimento de erros que ensejariam a busca de soluções.

Tudo isso nos remete obrigatoriamente às “soluções de interesse nacional” de que nos fala Toffoli e olhar nessa direção, finalmente, nos coloca diante da perspectiva das soluções desde sempre aguardadas.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!