COTAÇÃO DE 26/10/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,6270

VENDA: R$5,6270

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6730

VENDA: R$5,8030

EURO

COMPRA: R$6,6420

VENDA: R$6,6450

OURO NY

U$1.792,47

OURO BM&F (g)

R$327,87 (g)

BOVESPA

-1,34

POUPANÇA

0,3575%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Opinião Opinião-destaque

EDITORIAL | O caminho que convém

COMPARTILHE

Crédito: Pixabay

Positivamente uma trágica contabilidade. O número de mortos já passa dos 16 mil e o de infectados vai além dos 200 mil, enquanto 85 mil pessoas já podem ser dadas como curadas, respeitados todos os protocolos a respeito desses levantamentos.

Na sua outra face, o Ministério da Economia afere as consequências da pandemia e do isolamento social, mesmo precário e aquém do desejável, sobre os negócios, antecipando que a redução do Produto Interno Bruto neste ano poderá ficar entre 4,7% e 6%. E sem registro de números piores.

PUBLICIDADE

Enquanto isso, em Brasília, os sinais de desarticulação na alta administração são a cada dia que passa mais visíveis. E tão absurdos quanto a demissão, em menos de um mês, de dois ministros da Saúde, justamente aqueles postos que deveriam estar sendo alvo das melhores atenções.

Também na economia as reações e decisões não parecem refletir melhor compreensão do que se passa ou como se a única saída, e contrariando o resto do mundo, fosse mesmo dar fim às medidas restritivas sem um plano articulado, resultado de coesão e muitíssimo bem fundamentado.

E tudo isso tendo como pano de fundo um debate absolutamente irracional, sem sentido, bastando lembrar que a própria pandemia chega a ser apresentada como uma farsa, quando não movida por um complô em que o mundo inteiro incrivelmente caiu.

Será redundante dizer, repetindo, que a situação é grave e suas consequências, tanto sanitárias quanto econômicas, deveriam estar no centro de todas as atenções e preocupações, daí resultando uma mobilização sem restrições ou barreiras, muito menos intrigas alimentadas por quem não percebe, ou finge não perceber, que a hipótese de uma simples e inofensiva “gripezinha”, sem consequências maiores que aquelas repetidas todos os anos, já foi desmontada pelos fatos. Ou se engana com uma falsa ideia de normalidade, virtualmente impossível a estas alturas, capaz de devolver fôlego à economia.

Absolutamente não se trata de isso ou aquilo, como se possível fosse escolher entre vidas humanas e negócios, balanceando perdas e ganhos em uma e outra circunstância.

Quem fala sério enxerga os dois lados e com a mesma preocupação que só pode sugerir coesão e articulação, com esforços maximizados pela união em torno de propósitos inevitavelmente comuns. Salvar vidas e garantir a melhor assistência aos enfermos, salvar empregos, salvar empresas e negócios, isto e aquilo com muita seriedade e trabalho bem orientado e focado, pelo menos como resultado de que uma alternativa será um buraco sem fundo.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!