COTAÇÃO DE 26/10/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,6270

VENDA: R$5,6270

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6730

VENDA: R$5,8030

EURO

COMPRA: R$6,6420

VENDA: R$6,6450

OURO NY

U$1.792,47

OURO BM&F (g)

R$327,87 (g)

BOVESPA

-1,34

POUPANÇA

0,3575%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Opinião Opinião-destaque

EDITORIAL | O futuro que nos aguarda

COMPARTILHE

Crédito: Freepik

Contas precisas, agora só com bola de cristal. O Brasil está parado, o planeta está parado e a rigor não existem sinais de quando, como e a que custo retomaremos todos, algo que se possa considerar próximo da normalidade.

Até lá é entendermos todos que estamos – e provavelmente não ainda no olho do furacão – numa crise que, seja sob o ponto de vista da saúde pública, seja da economia, não tem precedentes nos tempos modernos. Sobre o Brasil, o secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, disse recentemente que o déficit público da União, estados e municípios poderá somar R$ 500 bilhões este ano como resultado dos gastos com o combate ao coronavírus e a recessão provocada pela pandemia.

PUBLICIDADE

Mundo afora, o contexto não é muito diferente, com organismos como o Banco Mundial (Bird) e Fundo Monetário Internacional (FMI) já dando como certo que o planeta entrará em recessão, podendo ser ainda mais severa que a dos anos 30.

No que toca ao nosso País, são claros os indicativos de que, passada a pandemia, não se sabe exatamente quando, restará uma enorme dívida acumulada e a necessidade de investimentos, possivelmente ainda maiores, para reativar a economia.

E já se sabe, embora não sejam poucos os que ainda tentam ignorar a realidade, que não haverá como virar essa chave, sem mudanças estruturais. Em síntese, sem um Estado menos oneroso, menos perdulário e mais eficiente. Fora dessa perspectiva, para a qual a própria crise nos empurrou, simplesmente não há chance.

A realidade nos impõe clareza e esse não parece ser um atributo do presidente da Câmara dos Deputados, quando, aparentemente orgulhoso de sua contribuição, anuncia que cortará R$ 150 milhões no orçamento da Casa e que esses recursos serão destinados à área de saúde, mas ao mesmo tempo parece se esquecer de que seu orçamento para o exercício se eleva a pouco mais de R$ 6 bilhões.

Igualmente nenhum comentário sobre o Fundo de Campanha, que tem destinados para as eleições municipais do ano que vem R$ 2,6 bilhões, ou sobre o Fundo Partidário, que, na perspectiva de agora, terá a crédito mais R$ 1 bilhão.

Já parece suficientemente claro, pelo menos para aqueles que cultivam um mínimo de bom senso, que no horizonte próximo, absolutamente não haverá espaço para estas e muitas outras regalias que, por entendê-las amplamente conhecidas, não julgamos necessário repeti-las neste breve comentário.

À frente, passada a tempestade, não haverá mais lugar para exageros que nesta parte do planeta foram incorporados à rotina, numa inversão de valores – que alguém já comparou ao virtual sequestro do Estado brasileiro – que são em tudo e por tudo incompatíveis com a tarefa de reconstrução que teremos pela frente.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!