COTAÇÃO DE 24/05/2022

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$4,8120

VENDA: R$4,8120

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$4,8900

VENDA: R$4,9960

EURO

COMPRA: R$5,1664

VENDA: R$5,1690

OURO NY

U$1.866,41

OURO BM&F (g)

R$289,06 (g)

BOVESPA

+0,21

POUPANÇA

0,6667%

OFERECIMENTO

Opinião Opinião-destaque

EDITORIAL | O futuro que nos aguarda

COMPARTILHE

Crédito: Freepik

Contas precisas, agora só com bola de cristal. O Brasil está parado, o planeta está parado e a rigor não existem sinais de quando, como e a que custo retomaremos todos, algo que se possa considerar próximo da normalidade.

Até lá é entendermos todos que estamos – e provavelmente não ainda no olho do furacão – numa crise que, seja sob o ponto de vista da saúde pública, seja da economia, não tem precedentes nos tempos modernos. Sobre o Brasil, o secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, disse recentemente que o déficit público da União, estados e municípios poderá somar R$ 500 bilhões este ano como resultado dos gastos com o combate ao coronavírus e a recessão provocada pela pandemia.

PUBLICIDADE




Mundo afora, o contexto não é muito diferente, com organismos como o Banco Mundial (Bird) e Fundo Monetário Internacional (FMI) já dando como certo que o planeta entrará em recessão, podendo ser ainda mais severa que a dos anos 30.

No que toca ao nosso País, são claros os indicativos de que, passada a pandemia, não se sabe exatamente quando, restará uma enorme dívida acumulada e a necessidade de investimentos, possivelmente ainda maiores, para reativar a economia.

E já se sabe, embora não sejam poucos os que ainda tentam ignorar a realidade, que não haverá como virar essa chave, sem mudanças estruturais. Em síntese, sem um Estado menos oneroso, menos perdulário e mais eficiente. Fora dessa perspectiva, para a qual a própria crise nos empurrou, simplesmente não há chance.

A realidade nos impõe clareza e esse não parece ser um atributo do presidente da Câmara dos Deputados, quando, aparentemente orgulhoso de sua contribuição, anuncia que cortará R$ 150 milhões no orçamento da Casa e que esses recursos serão destinados à área de saúde, mas ao mesmo tempo parece se esquecer de que seu orçamento para o exercício se eleva a pouco mais de R$ 6 bilhões.

PUBLICIDADE




Igualmente nenhum comentário sobre o Fundo de Campanha, que tem destinados para as eleições municipais do ano que vem R$ 2,6 bilhões, ou sobre o Fundo Partidário, que, na perspectiva de agora, terá a crédito mais R$ 1 bilhão.

Já parece suficientemente claro, pelo menos para aqueles que cultivam um mínimo de bom senso, que no horizonte próximo, absolutamente não haverá espaço para estas e muitas outras regalias que, por entendê-las amplamente conhecidas, não julgamos necessário repeti-las neste breve comentário.

À frente, passada a tempestade, não haverá mais lugar para exageros que nesta parte do planeta foram incorporados à rotina, numa inversão de valores – que alguém já comparou ao virtual sequestro do Estado brasileiro – que são em tudo e por tudo incompatíveis com a tarefa de reconstrução que teremos pela frente.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!