COTAÇÃO DE 17/05/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,2660

VENDA: R$5,2660

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,2500

VENDA: R$5,4230

EURO

COMPRA: R$6,4106

VENDA: R$6,4134

OURO NY

U$1.866,89

OURO BM&F (g)

R$316,43 (g)

BOVESPA

+0,87

POUPANÇA

0,2019%%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Opinião Opinião-destaque
Crédito: Ueslei Marcelino/Reuters

O Banco Central mais uma vez revê, e mais uma vez para menos, suas previsões para o comportamento do Produto Interno Bruto (PIB), melhor e mais aceito indicador do comportamento da economia, agora estimando uma queda de 5,5% no corrente ano e se aproximando das projeções internacionais, que projetam em 6% a queda do PIB brasileiro em 2020.

Um tombo que estará entre os maiores de todos os tempos e indicativo de uma recuperação lenta e difícil, além de ainda efetivamente imprevisível, uma vez que não há como antecipar a evolução da pandemia que está na origem de todo esse estrago.

PUBLICIDADE

Tão ou mais preocupantes são estes dados quanto se constata que a administração federal tem sido lenta, confusa até, no processo de construir alternativas, no campo da economia, capazes de aliviar as pressões atuais e as que são previstas, traduzidas em aumento brutal no desemprego e número também sem precedentes de falências principalmente entre micro e pequenos negócios, aqueles com menos capacidade de resistência, mas que são também os maiores geradores de empregos e, perversamente, os que menos contam com o apoio que nesse momento para a maioria é sinônimo de sobrevivência.

Apenas para lembrar, a liberação de créditos destinados a cobrir parte das folhas de pagamento de pequenos negócios que estão compulsoriamente paralisados, tinha alcançado, ate o início do mês, apenas 1% da demanda. E sem sinais de que a situação tenha melhorado desde então.

A realidade é aquela que, na segunda-feira, um desses empresários descrevia em entrevista na televisão. Depois de mais de 50 dias parado e com suas pequenas reservas se aproximando do esgotamento, resolveu procurar um banco, intermediário de repasses de recursos emergenciais do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Ouviu como resposta que seria “muito complicado” acessar aquelas linhas e recebeu oferta de crédito do próprio banco, porém a um custo 50% maior, fora de suas possibilidades.

Parece faltar até mesmo compreensão da realidade e sua gravidade. Da mesma forma, falta o entendimento de que sem socorro, sem alívio nas pressões que o próprio Estado exerce, o tombo será maior e a recuperação mais lenta e mais penosa.

Faltam planos objetivos, falta articulação entre governo e agentes econômicos, enquanto um tempo precioso vai sendo perdido sem que surjam propostas com musculatura para enfrentar os desafios que já fazem parte do presente e mais aqueles que estão no horizonte.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!