COTAÇÃO DE 24/05/2022

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$4,8120

VENDA: R$4,8120

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$4,8900

VENDA: R$4,9960

EURO

COMPRA: R$5,1664

VENDA: R$5,1690

OURO NY

U$1.866,41

OURO BM&F (g)

R$289,06 (g)

BOVESPA

+0,21

POUPANÇA

0,6667%

OFERECIMENTO

Opinião Opinião-destaque

EDITORIAL | O suspense nos Estados Unidos

COMPARTILHE

Crédito: REUTERS/Carlo Allegri

Pesquisas de opinião acreditadas apontam como mais provável a vitória do democrata Joe Biden nas eleições presidenciais nos Estados Unidos, com uma diferença apertada a seu favor, que pode não chegar, contados todos os votos no intrincado sistema local, aos 7%. Uma tendência que vem sendo mantida há meses, sem grandes variações, embora a quantidade de votos pelo correio, um recorde, tenda a pesar a favor do democrata.

O presidente Donald Trump, por seu turno, continuou até o último momento preferindo acreditar em surpresa, esperando que aconteça o mesmo que aconteceu nas eleições passadas, quando a favorita nas pesquisas, Hillary Clinton, acabou perdendo a cadeira presidencial para o mesmo Trump, que agora corre por um segundo mandato.

PUBLICIDADE




Como o sistema além de complexo, ou por isso mesmo, é lento, tudo indica que os próximos dias e semanas serão mais que, simplesmente, de suspense. Trump, no seu melhor estilo, não perdeu ocasião para colocar em dúvida a integridade do sistema, dando a entender, ou mais que isso, pouca ou nenhuma inclinação a aceitar qualquer coisa que não seja a própria vitória.

Um possível impasse e de consequências absolutamente imprevisíveis, num quadro de divisão e de radicalização, situação que os estudiosos dão como inédita, havendo inclusive quem não descarte a possibilidade de algum tipo de ruptura, ameaçando a até aqui mais estável das democracias ocidentais.

Um problema, com seus riscos incontáveis, que deixa de ser interno e não diz respeito exclusivamente aos cidadãos daquele país. Qualquer abalo mais sério na primeira economia do mundo e que é, ao mesmo tempo, a maior potência militar, evidentemente impactará a tudo e a todos, com consequências que desafiam a própria imaginação.

Com o planeta enfrentando a mais grave pandemia em mais de cem anos, com a economia fortemente abalada e, presentemente, com os temores crescentes de uma “segunda onda” da Covid-19, uma desestabilização a partir dos Estados Unidos é risco incomensurável, mas que não pode estar longe dos radares, uma vez que explicitamente mencionada pelo atual presidente em diversas ocasiões.

PUBLICIDADE




Seja como for, encerrada a votação nas suas primeiras e decisivas etapas, cabe agora, não só aos norte-americanos, mas ao mundo inteiro, acompanhar com máxima atenção e vigilância, com plena consciência do que está em risco, o longo processo de apuração até a contagem final. Para não permitir, em nenhuma hipótese que os valores defendidos pelos chamados “pais fundadores” dos Estados Unidos sejam a qualquer título agredidos ou desviados.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!