COTAÇÃO DE 14/05/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,2710

VENDA: R$5,2710

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,2700

VENDA: R$5,4330

EURO

COMPRA: R$6,3961

VENDA: R$6,3990

OURO NY

U$1.843,90

OURO BM&F (g)

R$311,62 (g)

BOVESPA

+0,97

POUPANÇA

0,2019%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Opinião

EDITORIAL | Retrato da regressão

COMPARTILHE

Crédito: Pixabay

Brasileiros abaixo da linha de pobreza, contingente substancialmente elevado nos últimos quatro anos, período que coincide com a elevação do desemprego e da informalidade, costumam exibir, em seus barracos, quando entrevistados, geladeiras vazias, contendo apenas garrafas d’água. Esta cena, tristemente repetida, ganhou, desde algum tempo, um outro elemento, mulheres cozinhando com fogões a lenha improvisados, talvez a melhor e mais cruel imagem do processo de involução e empobrecimento do País.

Ao mesmo tempo, a perversidade, a absurda insensibilidade de quem decidiu dolarizar os preços dos derivados do petróleo, garantindo ganhos absurdos para as empresas que atuam no setor e mais miséria para milhões de pessoas. Uma lógica, convém acrescentar, que não tem cabimento, que não responde à motivação da criação da Petrobras e, principalmente, de seu enorme sucesso ao garantir ao País o petróleo de que necessita.

PUBLICIDADE

Necessita mas pelo qual a maioria não tem como pagar, daí a regressão aos tempos do fogão a lenha e, quem sabe, não muito distante dos tempos em que também as carroças de outros veículos de tração animal estarão de volta. Na semana passada, em viagem ao Sul, o presidente Bolsonaro, diante do anúncio de novas majorações, desta vez com maior impacto sobre o gás natural, voltou a dizer que não intervirá na política de preços da estatal, mas cobrou pelo menos mais previsibilidade nos seus movimentos. Um sinal parcial, dúbio e, pior, certamente de nenhum efeito, embora não faltem os que aplaudam – nesse caso – a autonomia da Petrobras, mas não se perguntam a quem ela serve.

Para dizer o mínimo, uma autonomia sem sentido, burra, que não guarda nenhuma proximidade com os melhores argumentos a considerar. Até porque os interesses dos acionistas são na realidade muitíssimos bem atendidos, e o maior deles, o Estado brasileiro, deveria medir os resultados discutidos com outra régua. A Petrobras tem que se financiar, tem que gerar receitas que paguem suas contas e assegurem margem para os investimentos que continuadamente deve fazer. É só lembrar que cada barril de petróleo que ela produz custa cerca de U$ 15 para entender que as contas estão erradas, muito erradas. E não obedecem a lógica de que a questão é muito mais estratégica que econômica, que alcançar a autossuficiência deveria significar autonomia, melhores chances de construir a prosperidade nacional, e não alinhamento à Opep ou aos interesses de quem especula na Bolsa de Nova York.

São os fatos, a realidade que não se quer enxergar porque ela aponta na direção daquilo que move o mundo rico, mesmo que para isso reste ao Brasil tomar de volta o caminho do fogão a lenha.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!