COTAÇÃO DE 14/05/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,2710

VENDA: R$5,2710

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,2700

VENDA: R$5,4330

EURO

COMPRA: R$6,3961

VENDA: R$6,3990

OURO NY

U$1.843,90

OURO BM&F (g)

R$311,62 (g)

BOVESPA

+0,97

POUPANÇA

0,2019%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Opinião

EDITORIAL | Sem mudar, nada feito

COMPARTILHE

Crédito: REUTERS/Adriano Machado/File Photo

Primeiro aos mais necessitados, é claro, milhões de brasileiros que estão abaixo da linha de pobreza, os sem emprego e renda. A crescente legião de moradores de rua, também os que têm a ilusão de um teto mas não tem o que comer. O Brasil empobreceu com uma velocidade inesperada, fruto de muitos erros cometidos e potencializados pela pandemia. A recuperação tão aguardada, todos sabemos, será lenta e imprevisível. Milhões não têm como esperar, precisam de assistência e não da ameaça, talvez muito conveniente para alguns, de que podemos estar no limiar dos saques e da desordem.

É preciso, simplesmente, enxergar a realidade para com empenho, disciplina e bom senso enfrentá-la. É preciso também ter em conta de que não se trata, simplesmente, de oferecer o mínimo a quem não tem nada ou quase nada, ainda por cima em termos provisórios e incertos. Alguém já disse, com propriedade, que, completada a etapa da vacina e vencidos os riscos maiores, a solução verdadeira está na oferta de empregos e não na oferta de esmolas. Elementar e significa lembrar, ou relembrar, que outras camadas da população brasileira também pedem socorro urgente. Micro e pequenos empresários, até médios principalmente, que igualmente já esgotaram suas forças, sem contar os que já sucumbiram, aí contados também os desempregados de melhor qualificação.

PUBLICIDADE

Levantar a economia, como é preciso, não significa em primeiro lugar atrair novos investimentos e novos empreendimentos, como muita gente pensa. Mais racional será dar suporte a quem já está atuando, porém com o entendimento claro e objetivo de que não se trata de repetir, quase no automático, velhos programas de fomento que se revelaram ineficazes, oferecendo crédito a juros que não podem ser pagos ou facilidades que, sistematicamente, a burocracia cuida de exterminar, como se estivessem todos apenas jogando para a plateia.

A situação é inédita e as soluções necessariamente também terão que ser inéditas, com apoio real, consistente, a quem é capaz de gerar riquezas, gerar trabalho e renda, além de tributos que não sejam mera ficção.

Empresários têm se mobilizado, embora quase sempre muito timidamente, para apontar seus problemas e pedir soluções. Tem que deixar claro que tornou-se necessário fazer diferente e fazer muito mais para que se possa, de fato, atender aqueles que tiveram suas atividades compulsoriamente interrompidas ou que há mais de ano veem seus esforços minguando.

Repetindo, sem que se entenda a realidade e o tamanho do problema, sem que as respostas sejam aquelas necessárias, a recuperação que o ministro Guedes enxerga no horizonte continuará sendo ilusão e maior a tormenta dos que sofrem.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!