DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,2090

VENDA: R$5,2100

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,1800

VENDA: R$5,3600

EURO

COMPRA: R$6,0756

VENDA: R$6,0768

OURO NY

U$1.813,62

OURO BM&F (g)

R$300,00 (g)

BOVESPA

-3,08

POUPANÇA

0,2446%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Opinião
Crédito: Tânia Rêgo/Agência Brasil

Pelo menos para efeitos externos, o Palácio do Planalto, sobretudo depois dos votos favoráveis na Comissão de Constituição e Justiça, dá sinais de confiança com relação ao encaminhamento de sua proposta de reforma do sistema previdenciário.

Admite algumas concessões, diz que está pronto para ouvir e negociar e espera uma decisão final ainda no primeiro semestre. Para o governo, se acontecer, será a virada de chave, o sinal que investidores sem pouso seguro para seu capital estariam aguardando.

PUBLICIDADE

Fora dos jardins do Palácio, entre os agentes econômicos mais relevantes, o entusiasmo já não é tão grande. No geral, entende-se que o novo governo perdeu um tempo precioso, faltando-lhe coordenação e real capacidade de articulação.

A reforma passa, imaginam, mas dificilmente será a necessária, aquela que imagina o ministro Paulo Guedes e em dez anos geraria economia de um trilhão de reais. Lembram também que a alta administração se ilude, ou vende a ilusão, de que começar a reequilibrar a Previdência Social é o fim de todos os males.

Longe disso, infelizmente, e é fundamental que a parcela da sociedade que defende e aposta na reforma como sinal de partida tenha consciência da realidade. Dela nos lembra, em recente entrevista, o economista Armínio Fraga, ex-presidente do Banco Central com um argumento definitivo: Feitas as contas e imaginando-se que tudo corra relativamente bem, com a reforma gerando um economia de R$ 70 bilhões por ano, será o equivalente a 1% do Produto Interno Bruto (PIB), número relevante mas ainda distante do equivalente a 5% do PIB, que seria o necessário.

“Temos que ver o que vem além disso”, resume Fraga, lembrando que a fragmentação política persiste ou até aumentou, enquanto o Executivo dá sinais contraditórios que acabam por reforçar as incertezas e, por consequência, a desconfiança.

Diante das circunstâncias, não é de se estranhar que as previsões para a economia continuem sendo revistas para menor ou que até os números relativos ao desemprego tenham piorado.

Imaginava-se que o Produto Interno Bruto (PIB) poderia crescer este ano 3% ou até um pouco mais e chegamos ao quinto mês de 2019 sem coragem, ou elementos de convencimento, para apostar em qualquer coisa maior que 2%, talvez até menos, ficando, portanto, mais uma vez adiada a arrancada que muitos davam como certa.

A esperança, que não se pode abandonar, é que estes prognósticos sejam também sinais de alerta, menos para o mercado e mais para o próprio governo.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!