COTAÇÃO DE 03-12-2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,6790

VENDA: R$5,6800

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,7000

VENDA: R$5,8300

EURO

COMPRA: R$6,3643

VENDA: R$6,3655

OURO NY

U$1.784,10

OURO BM&F (g)

R$321,33 (g)

BOVESPA

+0,58

POUPANÇA

0,4739%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

livre Opinião
Crédito: PXHERE

Especula-se muito sobre o futuro do automóvel, no que toca à sua concepção e construção, bem como no que diz respeito à forma como será conduzido e até mesmo sua propriedade. Surgem conceitos novos, como a substituição, na realidade já em andamento, dos obsoletos e pouco eficientes motores a explosão ao mesmo tempo em que a combinação de eletrônica e informática fez com que veículos autônomos deixassem os espaços da ficção para chegar à realidade, onde há espaço também, provavelmente mais limitado para formas ainda mais inovadoras, como veículos baratos mas capazes de voar, reproduzindo o conceito dos drones.

O leque de opções é bastante grande, respondendo a necessidades novas, ao mesmo tempo que ao esgotamento o modelo ainda é predominante, mas sabidamente de baixa eficiência, quando não inviável. Interesses econômicos, predominantemente da indústria petrolífera, mas também da indústria automotiva, retardaram essas mudanças, gerando problemas de mobilidade e ambientais que não têm mais como ser contornados. Daí a adesão, tardia, num processo que já é claramente percebido e para o qual recentemente chamou atenção o principal executivo da Volkswagen, hoje maior produtora de veículos no planeta, reconhecendo que sua empresa foi lenta ao perceber e começar implementar as novas demandas e que tanto ela quanto seus concorrentes só sobreviverão se transformadas em empresas de tecnologia, o que hoje provoca turbulências e exigirá “mudança radical de direção”.

PUBLICIDADE

Ainda segundo o executivo, na Europa, onde o setor vem encolhendo, seja por conta da redução da demanda, seja pela oferta mais competitiva de produtos asiáticos, se esta “virada” não for bem conduzida e bem-sucedida, somente na Alemanha mais de 400 mil empregos estarão em risco. Além de pertinentes, são observações que apontam também para um novo mundo, bem diferente do atual. O chefe da Volks está falando de uma corrida que já começou e na qual o Brasil, mesmo que ainda tenha um lugar ao lado dos grandes produtores mundiais de material de transporte, não está sabendo acompanhar,  pior, parece ignorar enquanto alimenta a ilusão de que o etanol possa ser uma resposta que nos atenda.

Não nos parece necessário apontar a importância da indústria automotiva para a economia nacional ou repetir, no que poderíamos utilizar os mesmos argumentos do executivo alemão, que para ser competitiva mais que atualizada, por suposto, ela tem que ganhar escala e competitividade. Ou enxergar a direção e seguir o rumo, sob pena de perder seu lugar na corrida que já começou.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!