COTAÇÃO DE 07/12/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,6180

VENDA: R$5,6180

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6500

VENDA: R$5,7830

EURO

COMPRA: R$6,3427

VENDA: R$6,3451

OURO NY

U$1.784,35

OURO BM&F (g)

R$323,23 (g)

BOVESPA

+0,65

POUPANÇA

0,5154%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Opinião Opinião-destaque
Crédito: Freepik

A Câmara dos Deputados aprovou projeto de lei que recompõe durante seis meses, entre maio e outubro, as perdas de estados e municípios por conta da queda na arrecadação do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços, estadual, e do Imposto sobre Serviços, municipal.

Para a União, aquilo que o ministro Paulo Guedes, entre contrariado e preocupado, classificou como um “cheque em branco”, entendendo que o ônus da crise deveria de alguma forma ser partilhado, o impacto previsto somará R$ 89,6 bilhões, uma vez que o projeto, agora pendente de aprovação no Senado, inclui também a suspensão, neste ano, de pagamentos de dívidas aos bancos públicos, somando R$ 9,6 bilhões.

PUBLICIDADE

Para o presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia, a compensação tem que ser imediata, o que, se não acontecer, inviabilizará estados e municípios que, ao contrário da União, não tem como emitir títulos da dívida pública. Esse sentido de emergência, de ações de curto prazo, foi remarcado com a decisão de excluir do projeto qualquer ponto relativo às discussões sobre renegociação de dívidas de longo prazo. Também ficou de fora a ideia de criação de uma linha de crédito emergencial de ate R$ 50 milhões para os estados.

Nas circunstâncias que se apresentam, com a economia em virtual quarentena e sem quaisquer previsões seguras quanto à duração desse processo ou, ainda, sobre os custos do combate à pandemia, há que relativizar conceitos orçamentários convencionais. Uma licença imperativa, mas, em havendo seriedade e integridade, um compromisso cuja extensão deve estar bem compreendida pelos gestores públicos, todos eles e sem nenhuma exceção.

Chama atenção que até agora tanto se tenha falado sobre as contas que crescem e se acumulam e à frente, de uma forma ou de outra, terão que ser pagas e nada, rigorosamente nada, tenha sido dito sobre disciplina férrea nos controles e corte de gastos onde e como for possível.

Dessa forma o que sobra é a advertência contida na carta do presidente da Associação Comercial de Minas ao presidente da República, onde lembra que os sacrifícios continuam sendo suportados por empresários e trabalhadores, enquanto o setor público continua intocável, financiando extravagâncias que são tão amplas quanto conhecidas.

Chega a ser escandaloso que, com o País diante de problemas que nunca foram tão grandes e tão difíceis, não seja dita uma única palavra sobre os privilégios daqueles que, se não sequestraram o Estado brasileiro, com certeza sequestraram os contribuintes.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!