DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,1220

VENDA: R$5,1230

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,1430

VENDA: R$5,2800

EURO

COMPRA: R$6,1922

VENDA: R$6,1950

OURO NY

U$1.876,87

OURO BM&F (g)

R$309,26 (g)

BOVESPA

+0,13

POUPANÇA

0,2019%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Opinião

EDITORIAL | Um enredo já esperado

COMPARTILHE

Crédito: REUTERS/Ueslei Marcelino

Em Brasília há quem diga que sempre que os holofotes apontarem numa única direção, como acontece agora com a Comissão Parlamentar Inquérito da Covid, será inteligente olhar no rumo oposto, muito provavelmente para enxergar o que não querem que seja visto.

É bem possível que a malandragem tenha sido repetida na semana que passou, quando, tão discretamente quanto possível, os senhores Geddel Vieira Lima, Eduardo Cunha e outros menos notórios foram absolvidos das acusações de que eram alvo, supostos integrantes do então chamado “quadrilhão do MDB”, com a sentença sustentando que a denúncia não descreve a prática de delitos por parte dos acusados, que houve abuso do direito de acusar e tentativa de criminalizar a atividade política.

PUBLICIDADE

Para quem possa ter esquecido, diante da rapidez com que algumas coisas costumam acontecer no País, Eduardo Cunha é o notório ex-presidente da Câmara dos Deputados, e Geddel Vieira Lima o deputado baiano que teria pedido emprestado um apartamento para esconder algumas dezenas de milhões de reais. Os dois não estavam sozinhos. Também sobrou para o ex-presidente Michel Temer, cujas comprometedoras conversas, altas horas da noite e num porão do Palácio dos Buritis, igualmente acabaram dando em nada, mesmo destino de seus ministros Eliseu Padilha e Moreira Franco, dos deputados Henrique Eduardo Alves e Rodrigo da Rocha Loures, todos agora apontados inocentes e perseguidos.

Para resumir, não será exagero concluir, caso dúvidas persistissem, que estamos diante do atestado de óbito da Operação Lava Jato e os que imaginavam, com uma candura talvez indesculpável, que a corrupção na esfera pública brasileira tinha encontrado seu fim, assim como a impunidade em que se nutria. O objetivo verdadeiro foi alcançado, a tarefa cumprida e o grande herói de toda essa farsa está devidamente abrigado, como consultor, indiretamente, numa das empresas que ajudou a desmontar. Velhos nomes, velhos métodos, tristes resultados e, resumindo, quase o mesmo enredo num momento particularmente duro da vida nacional.

Tudo pode se ajeitar, tudo tende à acomodação mas é preciso assinalar que pelo menos em parte os planos não se cumpriram, com a picada aberta para servir de atalho à rampa do Palácio do Planalto sendo tomada, com sucesso, por um candidato inesperado, frustrando alguns que esperavam mais que escapar da cadeia.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!