COTAÇÃO DE 26/07/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,1740

VENDA: R$5,1740

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,1630

VENDA: R$5,3400

EURO

COMPRA: R$6,1233

VENDA: R$6,1261

OURO NY

U$1.797,46

OURO BM&F (g)

R$299,92 (g)

BOVESPA

+0,76

POUPANÇA

0,2446%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Opinião Opinião-destaque
Crédito: Reprodução

Graças aos avanços da microeletrônica e, consequentemente, da informática, o planeta conheceu, a partir dos anos 70 ainda no século passado, transformações maiores e mais rápidas que todas as anteriores. Foi só o começo de uma sucessão de avanços que torna possível, hoje, que um telefone celular de última geração seja capaz de processar 1,5 bilhão de informações em apenas um segundo. E tudo isso está longe de ser o fim de um ciclo, ao contrário.

O próximo passo, a tecnologia batizada de 5G, está chegando, viabilizada técnica e comercialmente elevará a informática a um novo patamar, a inteligência artificial, capaz de acelerar e facilitar praticamente todas as atividades humanas, da medicina e educação à economia e à produção.

PUBLICIDADE

Repetindo, não estamos nos domínios da ficção científica, não estamos sonhando, estamos, sim, e sem exagero algum, próximo de um novo tempo. Eis porque já existe claramente uma corrida em torno dessa tecnologia, em que os Estados Unidos movem céus e terras para garantir seu domínio, mas esbarram na China, cujos avanços nesse campo aparentemente são maiores, mais consolidados e, sobretudo, menos custosos.

Eis porque o presidente Donald Trump faz o que pode e o que não pode para impor a tecnologia oriunda de seu país e, sobretudo, impedir que os avanços da China se espalhem. E sem qualquer disfarce, na base de ameaças e chantagem, como tem acontecido com o Brasil, um dos países que os norte-americanos têm pretensão de serem fornecedores únicos da nova tecnologia. Nada faz crer, dada a importância da matéria, que o futuro presidente, Joe Biden, acha de forma diferente.

Cabe esperar, cabe exigir, que o Brasil não caia nessa armadilha e entenda claramente o que está em jogo. Claramente, para não se submeter a nenhum dos dois países, ao contrário, para saber tirar partido de sua própria condição, fazendo o que for melhor não para um ou outro, mas para si mesmo. Vale dizer, mantendo uma posição independente e de equilíbrio, sabendo colocar os seus interesses em primeiro lugar para dessa forma conseguir algum espaço autônomo nesse mundo novo que está surgindo e que pouca relação guardará com o que conhecemos hoje.

O que não podemos, definitivamente, é aceitar, de um ou de outro, comprar tecnologia e serviços, um processo que seria necessariamente de escalada da dependência. Fique também entendido que esta não é uma política de governo, dependente dos humores ou preferências seja de quem for. Falamos de uma política de Estado, permanente, e que, sem medo de errar a julgar pelo que tem sido dito, será definidora do futuro de todos nós.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!