COTAÇÃO DE 19/01/2022

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,5600

VENDA: R$5,5600

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,5770

VENDA: R$5,7130

EURO

COMPRA: R$6,2610

VENDA: R$6,2639

OURO NY

U$1.814,31

OURO BM&F (g)

R$322,84 (g)

BOVESPA

+0,28

POUPANÇA

0,6310%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Opinião Opinião-destaque
" "
Crédito: Tania Regô/Agência Brasil

Com o caixa esvaziado e, para piorar, ainda naquela difícil situação em que o cano de entrada é de calibre menor que o de saída, em Brasília ainda tem quem sonhe com uma saída fácil para o desequilíbrio fiscal, bastante agravado no ano corrente.

Há quem continue acreditando, nos seus melhores sonhos, que a saída só pode ser a de sempre, via aumento de impostos e não por acaso nesses dias voltaram a surgir versões de que a antiga CPMF poderá ser reinventada, evidentemente rebatizada como se fosse o bastante para evitar reações desagradáveis.

PUBLICIDADE




Aumenta também, sinal evidente de que as contas realmente preocupam, referências mais animadas ao programa de privatização, agora com a Petrobras e suas subsidiárias voltando à condição de bola da vez.

O ministro Guedes, que andava desaparecido e silencioso, não esconde suas intenções e preferências. Acreditando que tudo que possa ser vendido, privatizado melhor dizendo, deva ter este destino.

Aí incluídos os bancos públicos, tema delicado mesmo na perspectiva do atual governo, e novamente a Petrobras e suas subsidiárias, agora com uma ideia que parece pintada de cor de rosa.

Nada de uma grande liquidação, como chegou a ser dito, mas sim uma manobra tática inteligente, tal como estaria sendo feito por algumas das grandes petrolíferas. Simples. Concentrar atenção e recursos nas atividades mais rentáveis, deixando de lado as complementares, como refino, distribuição e varejo.




No caso brasileiro, pelo menos tal como a nova fórmula é apresentada, algo que significaria concentrar atenções no pré-sal, onde estaria o verdadeiro pote de ouro.

Como alguém poderia lembrar oportunamente, falta combinar com o outro lado, tendo em conta as incertezas geradas pela pandemia e seus reflexos na economia, situação que leva investidores a guardarem bem guardadas as suas carteiras.

Persistem também incertezas relevantes e meramente comerciais com relação ao petróleo e seu futuro, como consequência das pressões ambientais e do surgimento de novas tecnologias, como o carro elétrico que a estas alturas pode ser apontado, sem riscos de exagero, como o futuro da mobilidade individual.

Dito com outras palavras, pode ser, tudo indica que será, hora ruim para vender, a menos que exista disposição, de fato, de se promover uma grande liquidação, abandonando-se um sistema integrado, que começa na prospecção e termina na entrega ao consumidor final, o que, mesmo com mudanças drásticas no perfil do consumo do petróleo, continua sendo estratégico e tem muito a ver com segurança interna.

E nada a ver com a ideia insensata e irresponsável de que pode ser interessante aproveitar a pandemia e deixar as porteiras abertas para a boiada passar.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!