COTAÇÃO DE 19/04/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,5500

VENDA: R$5,5510

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,5400

VENDA: R$5,7130

EURO

COMPRA: R$6,7043

VENDA: R$6,7067

OURO NY

U$1.771,25

OURO BM&F (g)

R$317,44 (g)

BOVESPA

317,44

POUPANÇA

0,1590%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Opinião

Estado ou Mercado? Os dois!

COMPARTILHE

Crédito: Pixabay

A Covid 19 mudou radicalmente as relações entre as pessoas, entre pessoas e governos, entre todos o tempo todo, em todos os níveis – municipal, estadual e federal -, na política, na economia e no campo social. Neste cenário inédito na história brasileira, uma antiga questão, sempre presente e instigante, volta com força à pauta de debates: qual deve ser o tamanho do Estado e sua missão na economia?

Antes da pandemia, o cenário era o de um Estado que ensaiava afastar-se cada vez mais. Desde que a doença agravou-se, e até hoje, o Estado vem intervindo fortemente. Neste momento, na expectativa de que a vacinação cumpra o seu papel, e na esperança de que voltemos ao normal, ou a um novo normal, como imaginam muitos, emerge a pergunta que não quer calar: Estado ou Mercado?

PUBLICIDADE

Por necessário, registre-se que o Estado interveio para garantir a renda e sobrevivência das pessoas, de suas famílias e também das empresas, especialmente micro, pequenas e médias. Empréstimos em condições especiais para suprir capital de giro, flexibilização da legislação trabalhista, como a suspensão temporária dos contratos de trabalho, a redução da jornada e a prorrogação dos prazos para recolhimento de impostos, contribuíram para a preservação de empregos. Com o auxílio emergencial, que agora volta à cena, o governo garantiu renda e consumo para trabalhadores e famílias mais carentes. Com isso, a economia continuou funcionando de forma razoavelmente satisfatória, como mostrou o balanço do segundo semestre de 2020.

Diante do cenário dramático criado pela pandemia, e do relativo êxito das intervenções do governo, no Brasil e em todo o mundo, o velho debate voltou à pauta, colocando, de um lado, defensores do centralismo e do dirigismo estatal – e, de outro, defensores do livre mercado e da livre economia. Neste contexto, uma questão se coloca: no pós-pandemia deve prevalecer o modelo econômico com mais presença do Estado? Entendo que não e, como não se trata de mais um Fla-Flu no nosso dia a dia, coloco à disposição dos leitores informações e fundamentos que sustentam minha crença.

 Grande parte da humanidade convive há mais de um século com a chamada economia moderna – e, com ela, atravessou a primeira revolução industrial, ainda no século XIX, a explosão demográfica que ocorreu simultaneamente à migração do campo para as cidades, a produção em massa e a revolução digital, ainda em curso. Neste período, muitos modelos foram testados mundo afora, com sucessos e insucessos – são bem conhecidos os impactos de cada um sobre a sociedade e sobre as pessoas. Hoje, os modelos vigentes – mais liberais ou mais estatizantes, mais livre ou mais fechados – sofrem críticas e desgaste por não terem sido capazes de resolver adequadamente todas as necessidades e aspirações do ser humano.

De fato, ajustes e correções de rumo são necessários, mas certamente não será pela via do confronto e do sectarismo que serão viabilizados. É preciso entender que este é um falso dilema e que, na verdade, a economia não pode prescindir do Estado e muito menos da iniciativa privada – cada um com seu papel e missão legítimos. Precisamos de ambos. O Estado tem suas atribuições básicas e fundamentais – educação, saúde, segurança – e a elas deve se ater, com presteza, eficiência e eficácia.  É fundamental um Estado esbelto, atlético, ágil e musculoso, com força suficiente para assegurar a lei e a ordem, políticas públicas, o correto funcionamento da regulação, segurança jurídica e a desburocratização. Enfim, precisamos de um Estado capaz de criar ambiente estável e favorável para os cidadãos e para os empreendedores, que também são cidadãos. Ao assim fazer, o governo estará fomentando negócios, investimentos, induzindo a produção, empregos e criação de riqueza para o Brasil e os brasileiros.

Com certeza, não cabe ao Estado ser empregador e, sim, ser o promotor indireto de trabalho, que deve ser criado pela iniciativa privada. Quanto mais o país for aberto à iniciativa privada, mais empresas teremos, mais produtos e serviços, mais competição, com benefícios diretos na qualidade e preços para a população. Às empresas, em essência, cabe correr riscos, criar riqueza de forma sustentável, com zero ou reduzido  impacto ambiental, e, de forma justa, distribuir os frutos do crescimento econômico.

Assim como o Estado tem compromisso inalienável com o bem comum, a iniciativa privada tem obrigação semelhante, também inalienável, com a dignidade das pessoas. Todo empenho e foco dos setores público e privado deve ser, necessária e prioritariamente, com a vida, com o desenvolvimento humano integral que implica no bem-estar material, social, cultural e espiritual. A missão conjunta, e mais nobre, é fazer com que as pessoas sejam felizes, com qualidade de vida compatível com a dignidade humana. Este é o compromisso maior do qual jamais devemos abdicar. Não podemos aceitar um Estado perdulário e empresas comprometidas exclusivamente com o lucro.

Quem sabe a pandemia, que tanto impactou nossos sentimentos e mudou as relações da humanidade, contamine a economia com o legado da fraternidade e da ética humana. São valores indispensáveis para alcançarmos a divisão mais equitativa de recursos, a igualdade de oportunidades e a justiça entre as pessoas. Deus nos concedeu o livre arbítrio e a inteligência para fazermos escolhas. A lição sabemos de cor, só falta coragem e determinação para colocarmos em prática. Só depende de nós!

*Presidente da Associação de Dirigentes Cristãos de Empresa – ADCE Brasil (scavalieri@uol.com.br)
Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!