COTAÇÃO DE 06/05/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,3640

VENDA: R$5,3650

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,3470

VENDA: R$5,5200

EURO

COMPRA: R$6,4639

VENDA: R$6,4668

OURO NY

U$1.786,86

OURO BM&F (g)

R$309,04 (g)

BOVESPA

+1,57

POUPANÇA

0,1590%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Opinião

Impactos da queda do PIB brasileiro

COMPARTILHE

Crédito: Marcello Casal jr/Agência Brasil

Com todos os impactos causados pela pandemia do Covid-19, já era esperado que a economia do país sofreria um abalo. O IBGE divulgou que o Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil caiu 4,1% em 2020, registrando a maior contração da economia em 30 anos. Mas o resultado foi melhor que o esperado, já que era prevista uma queda entre 8% e 9%.

Analisando o PIB, entre os principais setores, somente o agronegócio teve aumento (2%). Isso se dá principalmente pelas grandes safras de café, soja e milho; enquanto a indústria e os serviços tiveram queda. Esse resultado é efeito direto da pandemia, uma vez que diversas atividades econômicas foram parcial ou totalmente paralisadas.

PUBLICIDADE

No entanto, um ponto positivo foi o crescimento da atividade imobiliária (2.5%) e dos serviços de atividade financeira, de seguros e serviços relacionados (4%). O setor imobiliário teve uma redução nos lançamentos de imóveis residenciais, mas, em contrapartida, as vendas aumentaram em 9,8%, o que foi significativo para que o setor conseguisse se manter em crescimento.

Além disso, outra boa notícia é que se pode observar uma retomada da economia no mundo todo. Em países onde a vacinação já está mais avançada, é possível notar a volta das atividades e uma recuperação dos preços das commodities. Vale lembrar que o Brasil é um dos principais fornecedores de matérias-primas e essa retomada impulsiona a mineração e o agronegócio brasileiro.  

O declínio do PIB não deve ser comemorado. Porém, no quarto trimestre do ano passado o País teve um crescimento de 3,2% e, mantido esse ritmo, 2021 tende a ser um ano mais promissor com crescimento entre 3% e 3,5%.

O PIB tem uma relação direta com os investimentos. Uma vez que o indicador está em ascensão, isso indica uma expansão da economia e estimula novos investimentos no País. No entanto, a queda contínua indica uma recessão e baixos estímulos aos investimentos e projetos de expansão.

Cabe aos empresários, trabalhadores e gestores se atentarem à essa questão como contexto importante para gerir bem seus negócios, carreiras e investimentos.

*Economista e consultor empresarial (contato@carloscaixeta.com.br)
Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!