COTAÇÃO DE 01/12/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,6700

VENDA: R$5,6710

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6870

VENDA: R$5,8270

EURO

COMPRA: R$6,3654

VENDA: R$6,3672

OURO NY

U$1.779,55

OURO BM&F (g)

R$322,58 (g)

BOVESPA

-1,12

POUPANÇA

0,4412%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Opinião

Inovação em prol do mercado financeiro

COMPARTILHE

Painel da bolsa de valores
Crédito: REUTERS/Paulo Whitaker

O setor financeiro no Brasil é um dos principais alvos da inovação, pois tem levado tecnologia e automação aos mais variados serviços que envolvem desde a liberação de crédito, antecipação de recebíveis e pagamentos, até às operações de financiamentos e empréstimos. No universo das fintechs, a tecnologia é o que garante maior eficiência e assertividade nos negócios. Isso porque, quando combinada com uma base robusta de informações (Big Data), a tecnologia aumenta, ainda mais, o seu valor e permite o desenvolvimento da inteligência artificial, por exemplo. O resultado disso é a identificação de serviços mais rápidos, com menos custos e que, ainda, mitigam erros humanos – e, por consequência, possibilitam negócios escaláveis.

A transformação digital e a digitalização contribuem para a geração de novos negócios e para o movimento acelerado no âmbito financeiro, uma vez que a aceleração dos processos possibilita acessar usuários que não são atendidos pelos grandes bancos. Enquanto fora desse âmbito digital era muito difícil e custoso viabilizar a solução para os clientes, agora, diante da atual inovação, isso se tornou mais fácil.

PUBLICIDADE

A consequência disso não poderia ser outra: passamos a contar com benefícios aos consumidores, que agora têm acesso às múltiplas opções de serviços financeiros, e aos empreendedores, que conseguem expandir a cadeia consumidora. Com a abertura do mercado, ainda que prematura, já é possível identificar uma sensível queda da taxa de juros no Brasil, além de um aumento da oferta de crédito, atingindo o grande, médio e pequeno empresário.

Não podemos negar que estamos passando por um “boom” em relação ao crescente número de novas fintechs, atualmente. De acordo com a Associação Brasileira de Startups (Abstartups), o segmento é o segundo com o maior número de startups: 5,96% das 13 mil presentes em operação no País. Assim, olhar para o setor financeiro pode trazer um grande desenvolvimento aos novos empreendimentos, assim como à sociedade que, futuramente, poderá usufruir o serviço.

Como a inovação no mercado financeiro é um processo relativamente novo, existem espaços para o desenvolvimento de produtos e serviços que, até então, estavam sob o monopólio das instituições financeiras tradicionais. Aos que pensam em iniciar os negócios na área, especialmente inovando com a criação de fintechs, é imprescindível que o empreendedor conheça as dores existentes do mercado, se concentre no desenvolvimento de um produto específico e na resolução desta dor, visto que o sucesso está diretamente relacionado ao problema que a startup surge para resolver.

O setor financeiro do País é grande, mas ainda carente de novas soluções – mesmo os produtos já existentes demandam muita evolução, seja na abrangência do atendimento ao público ou em sua desburocratização. Dessa forma, o empreendedor recém-chegado ao mercado deve se atentar a tal fato, conhecer bem seu público-alvo e desenvolver um produto com propósito, e que não seja apenas mais um concorrente. Reforço, ainda, que a solução a ser desenvolvida não precisa ser algo inovador ou inexistente, mas o conhecimento prévio sobre o mercado ao qual deseja se aventurar é imprescindível. Do contrário, o resultado, que deveria ser seguro e eficiente, pode dar espaço para um verdadeiro desastre financeiro.

Sabemos que diversos setores foram impulsionados e acelerados pela pandemia. No entanto, particularmente, acredito também que o aumento do empreendedorismo no âmbito financeiro tem relação direta com as medidas político-econômicas adotadas nos últimos anos. Inúmeros projetos de lei foram aprovados, visando conferir maior acessibilidade ao mercado. Com a flexibilização dos entraves, e levando em consideração a falta de serviços em decorrência do insatisfatório atendimento à população pelas instituições de crédito tradicionais, me parece natural o interesse dos empreendedores em explorarem uma “nova” área.

*COO da Bankme | andre@bankme.tech
Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!