DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,2090

VENDA: R$5,2100

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,1800

VENDA: R$5,3600

EURO

COMPRA: R$6,0756

VENDA: R$6,0768

OURO NY

U$1.813,62

OURO BM&F (g)

R$300,00 (g)

BOVESPA

-3,08

POUPANÇA

0,2446%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Opinião Opinião-destaque

Mercado imobiliário pode alavancar a economia do País

COMPARTILHE

Crédito: Divulgação

Bruno Gama*

Financiamentos com as taxas mais baixas da história e início da popularização do crédito com garantia imobiliária são alternativas para aquecer o setor e movimentar a retomada da economia no país

PUBLICIDADE

O ano de 2020 começou com a promessa de crescimento do mercado imobiliário, representando o motor do avanço da economia no ano. Ainda no primeiro trimestre, o mundo foi impactado com uma pandemia global que trouxe consequências para a economia como um todo, mudando as perspectivas do ano.

Mas, no mercado imobiliário, o cenário ainda é próspero. Por conta da crise provocada pelo coronavírus, o Banco Central baixou consideravelmente a taxa básica de juros nos últimos meses, deixando a Selic no menor patamar da história, atualmente em 2,25%.

Com a Selic baixa e, consequentemente, reduções nas taxas de juros de financiamento imobiliário nos bancos, o momento tornou-se extremamente favorável para quem tem renda estável e capacidade de pagamento.

Além disso, com as sucessivas reduções da Selic, o custo oportunidade de deixar o valor investido em investimento de renda fixa diminuiu. Há pouco tempo, deixar o montante correspondente ao da entrada de um imóvel em um investimento conservador gerava, muitas vezes, um rendimento mensal suficiente para pagar o aluguel, fazendo o consumidor abrir mão da casa própria, já que a parcela do financiamento seria muito maior.

Para efeito ilustrativo, de acordo com levantamento realizado pela Credihome, há alguns anos, com a taxa Selic mais alta, a média do valor da parcela inicial de um comprador de imóvel – com intuito de financiar 200 mil reais, em 30 anos – era de, aproximadamente, R$ 2.560.

Atualmente, o mesmo consumidor pode conseguir uma parcela mensal de cerca de R$ 1.580. Este menor comprometimento de renda traz novos consumidores ao setor, possibilitando que pessoas com rendas mais baixas sejam capazes de financiar valores mais elevados para adquirir a casa própria.

Deve-se considerar ainda outras facilidades oferecidas pelo mercado em meio à pandemia, como carências maiores e entradas facilitadas, que tornam ainda mais atrativa a compra de imóveis, seja próprio ou para investimento.

Uma segunda alternativa, ainda relacionada com o potencial do mercado imobiliário,  que vem crescendo no Brasil nos últimos meses é o crédito com garantia imobiliária, conhecido como home equity.

Trata-se de uma modalidade de crédito com juros mais baratos, mas que demanda uma mudança de modo de pensar do brasileiro, de ver o imóvel como uma oportunidade.

Atualmente, o home equity representa cerca de 3% do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro, o que é muito pouco quando comparado a países desenvolvidos ou até mesmo com alguns vizinhos da América Latina.

Com os juros em queda, simplificação da aquisição deste tipo de crédito – que hoje pode ser feito de forma completamente digital -, e outros incentivos espera-se que essa modalidade também se popularize.

Todos esses pontos ainda indicam o mercado imobiliário como um dos principais setores responsáveis por alavancar a recuperação da economia no Brasil.

*CEO da Credihome

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!